jose antonio  20.01.11 13h06
Boa materia so corrigindo seriam 09 senadores e não doze...OK
0
0
rodrigo sucupira  20.01.11 12h40
Mais um que quer ser político na vida, já está querendo aumentar a quantidade possíveis de se eleger. Com isso vai aumentar os cargas e os gastos do estado, quando teve a crise da soja que a soja não valei 18 reais e estava em 40 reais antes, quem segurou esse estado não foi os produtores e sim, cuiabá e outros cidades com suas empresas e impostos pagos. Imagina se a soja ou alcool ou algodão fica com o preço a baixo dos custos, o estado quebram de novo. vem querer se juntar. Pelo amor de Deus isso é só para os "políticos" como o ex senador jorge yanai se reeleger novamente, ou futuros políticos da sua região que nunca vão conseguir os votos necessários atualmente, entrar no poder.
0
0
Carlos Eduardo  20.01.11 12h23
No mínimo, é instigante o artigo, o que por si só se traduz em mérito ao escritor. Algo que deve ser levado em conta é como fazer a carne de segunda (Araguaia), aquela que é empurrada no açougue para o lado e alvo de desdém inclusive pelo açougeiro, virar algo desejável, útil e respeitada. Nisso reside o principal mérito da missiva, que é a de fomentar um debate de possibilidades, ensejar a busca de alternativas. Sou de Alta Floresta, e para nós também analisar alternativas sempre é útil, e digo mais: profético, pois o planejamento de ações é essencial e vital para o futuro de todos os matogrossenses, sob a mesma bandeira ou não...
0
0
Marcelo  20.01.11 11h56
Se não bastasse MT absorver um custo altíssimo da divisão com MS, ainda teríamos que arcar com mais dois estados... Isso sem contar toda uma nova estrutura (executivo, legislativo e judiciário)... MT tem 8 deputados porque temos apenas 3 milhões de habitantes ou seja um para cada 375 mil hab., enquanto SP tem 70 para 41 milhões de hab. ou um para cada 585 mil aprox. Na minha modesta opinião, antes de dar opiniões furadas, precisariamos exigir que as verbas tivessem uma destinação correta, logicamente nos volumes corretos, que aí todo o dinheiro seria mais do que suficiente para atender aos anseios da população e não dos políticos, empreiteiros e assessores de planão.
0
0
AUGUSTO  20.01.11 11h53
FALOU E FALOU E NÃO LI NENHUM EMBASAMENTO CONCRETO,SERIA MELHOR FICAR CALADO.
0
0
Claudio de Oliveira Alves  20.01.11 11h46
KKKKK. Legal Leandro vou considerar esta opção no futuro. Grato, pela correção Christian. Bem, acho, como já disse no Dba que depois dos políticos, quem mais sairia ganhando com isso é a população, por isso a sugestão. Pensar faz bem. abraço a todos e todas.
0
0
HILDESON RODRIGUES MOREIRA  20.01.11 11h39
SIM concordo que teríamos mais representantes em BRASILIA,mas isso tambêm teríamos mas gastos,ou mas dinheiro nosso que ia para o ralo. HILDESON
0
0
Internauta  20.01.11 11h33
Caríssimo, melhor que dividir e aumentar custos com as novas máquinas administrativos, como seria de interesse de vários grupos políticos, porque não pensar em redefinir a forma de distribuição de recursos públicos, considerando não somente a população, mas também a extensão territorial? É mais racional e mais econômico. E não se esqueça de medir a força de um estado na hora de se impor com outros parâmetros, como maior produtor disso, maior produtor daquilo, necessidade de logística. Nesses e em outros casos, dividir não é a solução.
0
0
Christian   20.01.11 10h45
Claudio, 12 senadores não, 9 pq são 3 por unidades da federação, ok. Parabéns pelo artigo, concordo plenamente.
0
0
Paulo Justos  20.01.11 10h43
Devagar com o andor,nobre comentarista. As análises são mais profundas e menos evidentes como parece ser.Percebe-se que nem só do parlamento federal vive o estado mas de um povo empreendedor, que resulta em uma economia sólida e crescente. Não se mede uma região ou um estado pelo número de deputados mas pelo conjunto de representatividade econômica-social-política e condições naturais privilegiadas como as de Mato Grosso.Ademais, se passaram pouco mais de três décadas para este estado ser o líder na economia primária e com certeza em menos de uma década estará causando impacto agroindustrial e etc em muitos estados renomados, aguarde e verá!
0
0
cristiano milhomem  20.01.11 10h35
Parabens pelo artigo, faltou rassaltar que região como o Araguaia não consegue ter a presença do estado quando pensamoos em saúde,educação,segurança e crescimento economico.Tudo é possivél exemplo estado de Tocantis.
0
0
Mariana  20.01.11 09h43
Legal, em teorias!
0
0
Mauricio Vaz  20.01.11 09h26
Como diria Serginho Grusmmmmmm! "Há vida Inteligente!" Concordo Plenamente em número Genero e Grau. Só asim pra MT sair do Anonimato! Divisão Já!
0
0
Leandro  20.01.11 09h26
Faz o seguinte, vai pro Nordeste ou pro Sudeste! seu problema estaria resolvido!!!
0
0