ENQUETES

Você é a favor ou contra Silval fazer delação e ganhar a liberdade?

PUBLICIDADE

Agronegócios / AGROPRODUÇÃO/TRIGO
17.04.2017 | 21h30
Tamanho do texto A- A+

Preço do trigo despenca 20% e produção deve ser menor em 2017

Produção global, concorrência do Mercosul e câmbio desvalorizam o produto. Alta do ICMS também prejudica produção local

DO PORTAL DO AGRONEGÓCIO

Se por um lado 2016 foi praticamente o “ano do trigo”, com novo recorde mundial de produção, os produtores do Sul do Brasil vem colhendo problemas após a “safra espetacular” do ano passado. O alto cultivo global derrubou os preços.

O produto paranaense teve queda de 20% no valor do 1º trimestre comparado mesmo período ano passado, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná.

Em 2016, o valor de março era de R$ 39,40 por saca. Já em 2017, ficou em R$ 31,73. Em toneladas isso representa uma diferença de R$ 231 - R$ 660 contra R$ 429. “Foi um ponto fora da curva. Nunca houve uma média de produtividade tão alta”, explica Hugo Godinho, analista de trigo do Deral.

Apesar disso, o analista Luiz Carlos Pacheco, da consultoria Trigo & Farinhas, lembra outras funções do trigo: movimentar e adubar o solo para o plantio da soja, para evitar a queima de nutrientes do solo.

“Se você considerar preço da saca pelo preço de custo, o produtor teve prejuízo. Mas não é essa a conta certa. O cálculo de custo de lavoura usa rendimento de 48 sacas por hectare, e ninguém produziu menos que isso. Alguns colheram entre 70 e 90 sacas. Isso é mais lucro que a soja, por conta da produtividade e não do preço em si”, comenta.

Concorrência acirrada

Elcio Bento, analista da consultoria Safras e Mercado, observa três motivos para a diminuição do preço: a produção global, a concorrência de países vizinhos e o câmbio. Ele explica que, com o real valorizado e o dólar 15% mais baixo, fica mais barato importar trigo da região do Mercosul do que comprar o próprio trigo brasileiro.

“Além do mundo com os maiores estoques da história, a Argentina teve uma das maiores safras. A política de desvalorização [do peso argentino] e a alta qualidade favoreceram a produção e as exportações do país para o Brasil”, afirma.

Redução do plantio

Uma das consequências é o menor plantio, que começa neste trimestre. No Paraná, o Deral estima redução da área de produção de trigo de 1,1 milhão de hectares para 1,05 milhão – cerca de 5%. A Safras e Mercado projeta queda de 8%.

Dessa maneira, outras culturas “entram na terra”. “Normalmente o trigo perde espaço para o milho safrinha, que deve ganhar 150 mil hectares, mas também pode ser plantada aveia”, exemplifica Hugo Godinho.

A plantação dessa segunda safra de milho é uma vantagem em relação ao Rio Grande do Sul, que não tem essa possibilidade, segundo Bento. “É preciso produzir centeio, aveia ou abrir para pastagem”, comenta.

Já no Paraná, a produção do “safrinha” deve crescer 35%, com rendimento até 25% maior, na avaliação do Deral para a safra 2016/17.

Estoque local está sendo aproveitado, garante sindicato de Panificação

Ainda que o preço do mercado internacional esteja baixo, o excedente local está sendo aproveitado no próprio estado. Quem garante é presidente do Sindicato da Indústria da Panificação e Confeitaria do Paraná (SIPCEP), Vilson Felipe Borgmann.

Ele conta que os moinhos utilizavam 50% de trigo local e 50% importado. “Agora há aqueles estão usando apenas trigo paranaense. A maioria está utilizando 80% do trigo nacional”, revela. Luiz Carlos Pacheco, da consultoria Trigo & Farinhas Pacheco calcula que no Paraná a situação tende a melhorar para o produtor do estado:

“Fiz um estudo e projetei uma sobra de 400 mil toneladas no Rio Grande do Sul, enquanto que no Paraná não teremos o produto estocado [na entressafra], mas sim uma falta de 200 mil toneladas. Por isso, o preço interno está reagindo”, avalia.

O presidente do SIPCEP aproveita para criticar a carga tributária estadual. Em 1º de março, foi alterado o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) para trigo, farinha de trigo e derivados. “Como a carga tributária para enviar o trigo a outros estados está muito elevada, os moinhos do estado acabaram absorvendo a produção para garantir a produção do ano que vem. É uma parceria”, conclui Vilson.

 

 

Fonte        http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/preco-do-trigo-despenca-20-e-producao-deve-ser-menor-em-2017-157451




Clique aqui e faça seu comentário


0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados