ENQUETES

Qual sua expectativa em relação ao Governo Pedro Taques?

PUBLICIDADE

/ OPERAÇÃO ELDORADO
Tamanho do texto A- A+

Denúncia ao MPF aponta suposto abuso da PF em aldeia

Mais de 100 entidades da sociedade civil assinam a representação, pedindo apuração do caso

Divulgação/PF

Clique para ampliar

Operação da PF, na Aldeia Teles Pires, resultou na morte de um índio e deixou vários feridos

KATIANA PEREIRA
DA REDAÇÃO

O MPF (Ministério Público Federal) no Pará recebeu, na quarta-feira (14), uma representação pedindo investigação sobre a atuação da Polícia Federal na Aldeia Teles Pires, dos índios munduruku, na semana passada, durante cumprimentos de mandados da Operação Eldorado, no Extremo-Norte de Mato Grosso.

A representação foi assinada por 116 organizações e entidades da sociedade civil. Durante a operação, ficaram feridos dois policiais, seis indígenas, sendo que Adenilson Kirixi Munduruku, 25, foi assassinado com três tiros.

O documento traz um relato dos indígenas sobre o que ocorreu no dia 7 de novembro de 2012 ,na Aldeia Teles Pires, na divisa dos estados do Pará e Mato Grosso.

“A Polícia Federal chegou à aldeia fazendo voos rasantes de helicóptero, de voadeira e disparando projéteis de borracha, o que assustou os indígenas, entre eles idosos, crianças e mulheres”, diz trecho do documento enviado ao MPE. Segundo as entidades, esse fato provocou a reação dos guerreiros com arcos e flechas.

A representação também afirma que a operação violou os direitos constitucionais dos indígenas.

“O resultado da operação revela violações, abuso de autoridade e outros crimes, que devem ser apurados com celeridade e máxima diligência”, diz a representação, entregue aos procuradores da República no Pará.

Outro ponto citado na ação foi o uso de armamento pesado, por parte da PF, impossibilitando uma reação dos índios, que portavam apenas arco e flechas.

Adonias Kaba

Índios mostram balas de fuzil encontradas pelos mundurukus após o conflito



“O uso da força policial foi desproporcional a qualquer possível reação ocorrida, os indígenas portavam arco e flecha, enquanto os policiais, armas de fogo”, relatam.

 

Para as entidades que assinam o documento, “a Polícia Federal é incapaz de conduzir de forma imparcial e eficaz o inquérito policial sobre a desastrosa ação”.

A ação também descreve como o índio Adenilson foi morto. “A Polícia disparou contra os indígenas, resultando em diversos feridos e na execução de uma liderança indígena. Adenilson Munduruku foi encontrado pelo seu povo com três tiros, um na cabeça e um em cada uma das pernas. Indígenas afirmam que, quando o corpo caiu na água, a Polícia Federal atirou bombas contra ele, na tentativa de destruí-lo”.

Mulheres e crianças também teriam sido humilhadas e teriam sofrido ofensas por parte dos policiais federais.

“Na aldeia, a PF ainda arrebentou portas e revistou moradias, intimidando os indígenas e causando pânico. Somam-se a isto as explosões no rio Teles Pires, que destruíram, inclusive, as embarcações de pesca e de locomoção do povoado. Diante disso, crianças corriam sozinhas com medo para floresta com a finalidade de se refugiar e mulheres foram humilhadas e sofreram ofensas dos agentes federais”, diz a carta.

Dificuldades e manifesto

De acordo com as entidades que protocolaram a denúncia, até o presente momento, a aldeia está com dificuldade de manter a autonomia alimentar, porque os equipamentos de caça e pesca foram destruídos e confiscados pela Polícia Federal.

Entre os signatários do documento estão sindicatos, associações indígenas, associações de classe, entidades estudantis, partidos políticos e movimentos sociais da Amazônia e de todo o país.

Junto com a representação, as entidades encaminharam um manifesto em solidariedade à Aldeia Teles Pires. Os dois documentos foram encaminhados à Procuradoria da República em Santarém (PA), que tem atribuição para atuar junto aos índios munduruku.

PF diz que houve emboscada

O superintendente da PF em Mato Grosso, César Augusto Martinez, alegou que o confronto foi motivado por "uma embosca tramada pelos índios".

Thiago Bergamasco/MidiaNews

Superintendente da PF, César Martinez, alega que agentes sofreram emboscada dos índios

“Nossa equipe, no dia anterior, havia conversado, por mais de quatro horas com os índios, juntamente com a Funai. A resistência dessa forma não era esperada. Os índios estavam se preparando para a guerra”, disse, em entrevista coletiva, em Cuiabá, na noite de sexta-feira (9).

Em nota, a PF afirma que interceptações telefônicas, realizadas com autorização judicial, comprovariam que havia intenção anterior do líder indígena em atacar os policiais.

Operação Eldorado

A Operação Eldorado, deflagrada no último dia 6, em Mato Grosso, Pará, Rondônia, São Paulo, Rio Grande do Sul, Amazonas e Rio de Janeiro, teve o objetivo de desarticular uma rede de exploração de garimpos ilegais na região do rio Teles Pires.

O esquema funcionava há cinco anos. Durante a primeira etapa da operação, foram cumpridos 17 dos 28 mandados de prisão temporária, 64 de busca e apreensão e oito de condução coercitiva expedidos pela Justiça Federal.

No esquema, eram usadas notas frias de cooperativas de garimpeiros para legalizar a produção de garimpos, que funcionavam de forma ilegal.

Conforme as investigações, boa parte dos garimpos ficava nas terras dos índios mundurukus e kayabis.

O esquema também contava com a participação de índios, que, segundo a PF, facilitavam o acesso às áreas de extração.

Uma das empresas investigadas, com sede em Cuiabá, movimentou cerca de R$ 150 milhões nos últimos dois anos.

A companhia também operava na Bolsa de Valores, para comercializar o ouro como ativo de investimento financeiro.

Na operação, agentes da PF apreenderam 23 quilos de ouro, avaliados em R$ 2 milhões, com o empresário Valdemir Melo, dono da empresa Parmetal, com sede em Cuiabá, e com o filho dele, Artur Melo. Os dois foram presos na manhã de terça-feira.

Também foi preso na operação um oficial da Marinha do Brasil, lotado no Norte de Mato Grosso, que seria encarregado de legalizar o transporte do produto em embarcações, com o uso de notas fiscais falsas.

 




Clique aqui e faça seu comentário

6 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Digite o código:
(Somente números)
CAPTCHA ImageRecarregar imagem
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Daniel  15.11.12 18h09
Daniel, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Luiz Carlos Primeiro  15.11.12 17h24
Luiz Carlos Primeiro, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Car los Henrique  15.11.12 10h58
Car los Henrique, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Carvalho  15.11.12 10h52
Carvalho, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
ANA MOREIRA  15.11.12 10h03
ANA MOREIRA, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas

Leia mais notícias sobre :

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2014 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados