ENQUETES

Qual sua expectativa em relação ao Governo Pedro Taques?

PUBLICIDADE

/ ZERO QUILÔMETRO
Tamanho do texto A- A+

“Aqui virou um verdadeiro cabaré”, desabafa moradora

Moradores são contra a revitalização do movimentado ponto de prostituição de Várzea Grande

MidiaNews

Clique para ampliar

Travestis e mulheres disputam pontos de prostituição; moradores denunciam agressões e falta de pudor

KATIANA PEREIRA
DA REDAÇÃO

A polêmica envolvendo a região do Zero Quilômetro parece estar longe do fim. Moradores locais revelaram ao MidiaNews que são contra a proposta de revitalização da tradicional zona de prostituição em Várzea Grande, proposta pelo Comando Regional II da Polícia Militar.

Moradores denunciam abusos que sofrem dentro de casa. A comerciante Denizia Costa, contou, em entrevista, um pouco da rotina de agressões verbais e ameaças que a família sofre por parte dos "profissionais do sexo" que se instalaram na esquina de sua residência.

"É um absurdo quererem legalizar essa falta de vergonha. Estamos reféns dentro de casa, quando passamos na rua temos que ficar de cabeça baixa. Se por acaso eles [travestis e prostitutas] acharem que estamos olhando, gritam, jogam pedras, cospem. Perguntam se nunca a gente nunca os viu, tudo de forma bem grossa e ríspida", contou a moradora.

A família de Denizia é grande, são cinco menores de idade, dois adolescentes de 15 e 14 anos e três crianças, com onze, dez e nove anos. A principal queixa da comerciante é sobre a privação de liberdade que os filhos são submetidos desde que se mudaram para a região.

"Meus filhos e sobrinhos não podem nem sair na rua para brincar. Durante o dia são prostitutas e na noite os travestis que tomaram as ruas e ainda nos agridem. Acabamos ficando refém dessa situação horrível. É um péssimo exemplo para as crianças", esbravejou Denizia.

Denizia e o esposo possuem um trailer que serve refeições na avenida da Feb, a mudança para a localidade foi pensando na facilidade para manter o comércio. A comerciante contou que os abusos sofridos não têm limites.

"Eles ficam andando na porta de nossa casa, se pedimos para eles saírem ficam agressivos e dizem que estão ‘trabalhando'. Ainda tem a cara de pau de pedir água em nossas casas para se lavarem após os programas que eles fazem", revelou.

Verdadeiro cabaré

Uma moradora da região há mais de 37 anos, que não quis ser identificada por medo de retaliação, se aproximou durante a reportagem e foi enfática no comentário. "Aqui virou um verdadeiro cabaré, está cada dia pior. Esses dias uma prostituta ficou totalmente pelada sentada em uma cadeira de plástico na esquina de um motel. Como que vão querer legalizar uma falta de respeito desta, é um absurdo, devem tirar eles daqui. Quer dizer que essa falta de vergonha é mais importante que as famílias de bem que moram no local?", questionou a moradora, com indignação.

Camisinhas na rua

A aposentada Joana Zuleica Paes, de 85 anos, disse que não aguenta mais queimar os preservativos que aparecem jogados no chão. "Todos os dias é a mesma coisa, são dezenas de camisinhas que aparecem jogadas na rua, na esquina de minha casa. Tenho que queimar, porque é uma vergonha e falta de higiene deixar essas coisas na porta da minha casa", revelou Dona Zuleica, como é conhecida.

A idosa, que mora no local há mais de 20 anos, disse que já perdeu a conta de quantas vezes flagrou cenas de sexo explícito em baixo da árvore na esquina de sua casa.

"Nem sei mais quantas vezes vi homens "engatados" nessas bichas que fazem pontos por aqui. Meu vizinho queria cortar a minha árvore para que isso parasse, mas eu não permito, íamos ficar passando calor, a polícia que deve tirar eles [travestis e prostitutas] daqui", disse.

Roubos e furtos

O empresário Eduardo Pereira Lima acredita que pior que a infestação da prostituição são os constantes roubos e furtos que ocorrem na região. Morador da região do Zero Quilômetro há 27 anos, Lima investiu em segurança e mesmo assim não ficou livre da ação dos marginais.

"A ação dos bandidos é bem pior que a prostituição. Coloquei cerca elétrica, faróis para iluminação, alarme, filmadoras e mesmo assim os crimes continuam. Minha casa já foi assaltada pelo menos seis vezes. Uma vez colocaram todos os eletrônicos no meu carro e roubaram, só consegui recuperar o automóvel. Bandidos esperam a hora que estamos entrando em casa e entram em ação. Tem revitalizar o local para segurança aos moradores que pagam os impostos e não para proteger a prostituição", opinou Lima.

Revitalização

A revitalização da região é pauta de discussões desde 2008. O assunto foi retomado no início de 2011, após o retorno do coronel Pery Taborelly ao comando do Batalhão da Polícia Militar de Várzea Grande.

Além da revitalização, que visa limpar os terrenos baldios, reforçar a iluminação e fazer pinturas nos muros que façam homenagens à cultura mato-grossense, será proposto um código de conduta aos profissionais do sexo que atuam na localidade, sejam mulheres ou travestis.

De acordo com o código, travestis e prostitutas devem estar vestidos e se manter longe das vias de acesso ao bairro Jardim Potiguar, que são as avenidas Brasília, Ulisses Pompeo e São Caetano, onde há grande fluxo de crianças e adolescentes.

Confira os flagrantes registrados na região durante a tarde da última quarta-feira (25).


Restos de camisinhas queimados por moradora;


É comum encontrar camisinhas na região;












Clique aqui e faça seu comentário

17 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Digite o código:
(Somente números)
CAPTCHA ImageRecarregar imagem
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

silmara  14.05.14 14h58
vixii a situacao é complicaa msmo ein
0
0
Walmir Cesar Cunha  29.05.11 01h08
Diante de todos os problemas citados, pude perceber que o ambiente propicia ao uso de drogas a vários outros fatores prejudiciais a população de maneira geral. Não só acho como deveria propor junto as profissionais do sexo, uma forma de viabilizar a prostituição de maneira menos promiscua.
0
0
EDEVALDO DE ARRUDA LEITE  28.05.11 15h00
Uma iniciativa de nossos vereadores e deputados,em criar um projeto que acabe de vez por todas com esse tipo de bagunça,pois isso beneficia todo tipo de violência,contra familia, vidas,valores,etc.
0
0
Observador  28.05.11 01h03
penso que não devemos só condenar o coronel Taborelli, que tenho certeza não teve má intenção com a idéia da revitalização do ponto zero, mas sim auxiliar as autoridades a encontrar soluções para os problemas da sociedade. Quem sabe, devido à proximidade do local com relação ao nosso aeroporto, deveriam ser desapropriados os motéis do entorno e lá construir um centro de recepção e orientação aos turistas? E mais ainda, para ninguém se sentir lesado, facilitar para que os motéis se mudem para local adequado, mais discreto e menos ofensivo às famílias. Senão, seremos motivo de galhofa para os conterrâneos de Mato Grosso do Sul, que dirão que o ponto turístico principal de Cuiabá é o tradicional Ponto Zero.......
0
0
ataide santos  27.05.11 23h58
Eu heim! tem gente sabendo muito e a favor da liberação total.
0
0

Leia mais notícias sobre :

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2014 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados