PUBLICIDADE

Cotidiano / JÚRI POPULAR
27.07.2012 | 08h55
Tamanho do texto A- A+

Acusado de matar e queimar jovem pode escapar de Júri

Advogado solicitou de exame de sanidade mental e toxicológico; júri está suspenso até março de 2013

Katiana Pereira/MidiaNews

Clique para ampliar

Weber Melques confessou ter matado Katsue a facadas e queimado o corpo no forno da pizzaria

KATIANA PEREIRA
DA REDAÇÃO

O pizzaiolo Weber Melquis Venande de Oliveira, 23, pode se livrar do Júri Popular, caso seja considerado dependente químico ou incapaz mentalmente.

A Justiça de Mato Grosso agendou, para o dia 23 de março de 2013, os exames que podem comprovar ou não a incapacidade de Weber. Até lá, o julgamento está suspenso.

Ele é acusado de ter matado, com golpes de faca, e depois queimar o corpo da jovem Katsue Stefane Santos Vieira. A garota tinha 25 anos.

O crime aconteceu na madrugada do dia 3 de fevereiro deste ano, na Pizzaria Fornalha, de propriedade do pai de Weber, localizada no bairro Barbado, em Cuiabá.

Alegação da defesa

A juíza Maria Aparecida Ferreira Fago, titular da 12ª Vara Criminal Da Capital, relata que as solicitações de exames foram em virtude da alegação da defesa de Weber, que suspeita que o acusado é dependente químico.

“Todavia, considerando a fundada suspeita de que o acusado seja um dependente químico, entendem ser imperioso a realização de um exame para constatar se, de fato, ele é ou não dependente de substância entorpecente e se tinha conhecimento de que sua ação era ilícita ou, ainda e principalmente, se conseguia se determinar de acordo com esse entendimento”, diz trecho da decisão.

O advogado também alega que, pela experiência profissional que possui,acredita que o acusado também é portador de "anomalia mental".

“Também afirmam que, pelo contato próximo que tiveram com o acusado, que os seus problemas não se restringem ao uso de substância ilícita, podendo mesmo afirmar, pela experiência de advocacia criminal, que aquele é portador de alguma anomalia mental, em menor ou maior grau. Necessário, pois, que se constate se ele é imputável”, diz outro trecho da decisão.

Acusação

O Ministério Público Estadual ofereceu denúncia contra Weber, que confessou ter assassinado a facadas e queimado, no forno da própria pizzaria, o corpo de Katsue.

Weber é réu em um processo por homicídio triplamente qualificado, que envolve motivo fútil, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além da destruição de cadáver.

Ele está preso desde o dia 13 de fevereiro, no Centro de Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), o antigo Carumbé, no bairro do mesmo nome.

Consta, na denúncia, que o comerciante encerrou o expediente na pizzaria por volta das 23h30.

Ele teria se dirigido até a boate Executive's, próxima à Estação Rodoviária de Cuiabá, no bairro Alvorada. Katsue estaria na porta da boate, supostamente fumando maconha, com outras garotas de programa.

Weber teria ficado no local, usando drogas com as jovens e, depois, teria convidado Katsue para sair e pegar dinheiro para comprar drogas. Ele teria levado a jovem até a Pizzaria Fornalha.

O acusado contou, em depoimento, que sentiu uma vontade súbita de matar Katsue e assim o fez.

O comerciante disse que deu duas facadas no corpo da vítima, que continuou viva, e outra no pescoço, golpe que foi fatal.

Depois, ele colocou o corpo de Katsue dentro do forno e a queimou, usando toras de lenha.

Weber também lavou toda a pizzaria, que ficou muito suja de sangue, para esconder o crime.




Clique aqui e faça seu comentário


5 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Marcela  27.07.12 14h48
E precisa esperar até março de 2013 pra fazer um exame??? Essa "justiça" é uma piada ! Uma vergonha!
11
0
Carlos Silva  27.07.12 14h21
Coversa, conheço montão de gente que é dependente e nem por isso sai matando pessoas, principalmente cometendo crime como esse, no qual a vitima foi esquartejada e tostada no forno de pizza. Esse tipo de crime acontece não é por causa da Droga, apesar que ela pode tirar a timidez e o medo; So que, nesse caso é a indole do cidadão, tirar a vida de alguem, ja esta dentro da sua mente, do seu coração do seu agir e pensar, e se cometeu crime é bandido, e se é bandido tem que ficar preso na cadeia . Isso ai é manobra de advogado e segueira da justiça. Pra mim isso ai ja esta amarrado. O cidadão consegue ser solto por que aqui nesse país não existe Lei.
18
0
Daniela Dorilêo.  27.07.12 13h46
Na verdade,por isso que se aumenta cada vez mais os usuários e a violência,porque não se existe punição para essas pessoas,e os gestores sempre pensam que são uns doentes que precisam de atendimento psiquiátrico,na verdade precisam é de cadeia e trabalha muito...tem que coloca pra ralaaaa
13
0
Heitor Reyes  27.07.12 13h34
NOSSA SOCORRO.........ESTOU INDIGNADO COM ESTA NOTICIA >> QUER DIZER QUE UMA PESSOA QUE SE DROGA PODE ESTUPRAR, MATAR, ESQUARTEJAR QUE ESTA TUDO BEM ... MEU DEUS, QUEREM DESSE DESTE MUNDO AQUI NÃO É MEU LUGAR. “TEM QUE IR PARA JURI POPULAR SIM PARA SER JULGADO PELO POVO”. TE JUIZ QUE TEM MEDO DO POVO... É UMA VERGONHA !!!!!!!!!!!!!!! HEITOR - AFVV -MT
13
0
José Bonifácio  27.07.12 11h32
A lei é branda para quem é dependente químico. Ora, e quem mandou o cara ser dependente químico, a pobre vítima? Dependente ou não, quem comete crimes tem de pagar pelo que fez!
23
0

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados