ENQUETES

Você é a favor ou contra O FIM do estatuto do desarmamento?

PUBLICIDADE

Cotidiano / MENDES FALA
20.05.2014 | 17h21
Tamanho do texto A- A+

Empréstimo de R$ 3,4 milhões e contrato motivaram busca

Secretaria de Comunicação da Prefeitura emitiu nota de esclarecimentos

Tony Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O prefeito Mauro Mendes, que justificou as buscas e apreensões por meio de nota

DA REDAÇÃO
A Prefeitura de Cuiabá encaminhou nota à imprensa se posicionando sobre as buscas e apreensões realizadas na residência e no gabinete do prefeito Mauro Mendes (SPB).

Segundo a nota, assinada pela Secretaria de Comunicação, a busca teve por objetivo verificar documentos sobre um empréstimo, no valor de R$ 3,45 milhões, que Mendes tomou, em 2012, da empresa Amazônia Petróleo, de propriedade de Júnior Mendonça, alvo principal da Operação Ararath.

"Este empréstimo, ainda não liquidado, está devidamente informado por Mauro Mendes à Receita Federal nas suas declarações de Imposto de Renda de Pessoa Física dos anos de 2012/13 e 2013/14. Portanto uma operação formal e transparente", afirma a nota.

"A busca e apreensão determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) foi cumprida para verificar documentos sobre um empréstimo que Mauro Mendes tomou da empresa Amazônia Petróleo em 2012, no valor de R$ 3.450.000,00."


A nota da prefeitura afirma, também, que a Polícia Federal também buscou dados sobre um contrato para fornecimento de combustíveis, celebrado por Mendes, agosto de 2013.

"A referida contratação ocorreu pelo critério do menor preço e visou evitar a interrupção do abastecimento da frota de veículos da municipalidade, entre eles ambulâncias, caminhões e máquinas responsáveis pelas obras e limpeza da cidade, entre outros, uma vez que não foi possível concluir licitação convocada anteriormente para este fim", diz a nota.

O prefeito também considerou, por meio da nota, a busca e apreensão da Polícia Federal "totalmente desnecessária".

Confira, na íntegra, a nota da Prefeitura de Cuiabá:

"Acerca do cumprimento de mandado de busca e apreensão ocorrido nesta terça-feira (20.05) no gabinete do prefeito Mauro Mendes e em sua residência, o prefeito de Cuiabá vem a público esclarecer o que segue:

01) A busca e apreensão determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) foi cumprida para verificar documentos sobre um empréstimo que Mauro Mendes tomou da empresa Amazônia Petróleo em 2012, no valor de R$ 3.450.000,00.

02) Este empréstimo, ainda não liquidado, está devidamente informado por Mauro Mendes à Receita Federal nas suas declarações de Imposto de Renda de Pessoa Física dos anos de 2012/13 e 2013/14. Portanto uma operação formal e transparente.

03) A busca e apreensão também buscou informações sobre um contrato para fornecimento de combustíveis à prefeitura de Cuiabá pela empresa Amazônia Petróleo, celebrado em 1 de agosto de 2013.

04) A referida contratação ocorreu pelo critério do menor preço e visou evitar a interrupção do abastecimento da frota de veículos da municipalidade, entre eles ambulâncias, caminhões e máquinas responsáveis pelas obras e limpeza da cidade, entre outros, uma vez que não foi possível concluir licitação convocada anteriormente para este fim.

05) A contratação foi necessária, legal, emergencial e durou apenas quatro meses, resultando em economia aos cofres públicos municipais, já que os preços contratados foram menores que os da licitação anterior, realizada em 2012:

"Todas estas informações poderiam ter sido fornecidas ao Ministério Público, Polícia Federal e Justiça Federal, caso tivessem sido solicitadas, o que torna a medida de busca e apreensão totalmente desnecessária."


06) Assim que nova licitação foi realizada, cuja vencedora foi a empresa Castoldi Posto 10, o referido contrato emergencial com a Amazônia Petróleo foi encerrado, em 28 de Novembro de 2013.

07) Todas estas informações poderiam ter sido fornecidas ao Ministério Público, Polícia Federal e Justiça Federal, caso tivessem sido solicitadas, o que torna a medida de busca e apreensão totalmente desnecessária.

08) O prefeito Mauro Mendes apoia as investigações da Operação Ararath, e anuncia que, embora não tenha sido intimado a comparecer à Polícia Federal, encaminhará espontaneamente à Justiça todos os documentos que comprovam as afirmações, por serem a expressão da verdade.

Cuiabá-MT, 20 de maio de 2014.

Prefeitura Municipal de Cuiabá

Secretaria de Comunicação


Leia mais sobre o assunto:

Alvo da PF diz que pagou R$ 1,4 milhão a Chico Galindo

Ministro do STF negou busca na Amaggi e gabinete de Silval

Juiz cita indícios de "parceria" de Eder e Júnior Mendonça

Silval paga fiança por arma de fogo e é liberado pela PF

Bosaipo e Alencar Soares também foram alvos de buscas

Detidos, PF leva Eder e Riva para Brasília; veja fostos e vídeo

Ministro do STF cita "caderno espiral" de Silval Barbosa

Silval e Mendes teriam recebido R$ 8 milhões para campanhas

Suspeito, gerente do Bic Banco está preso em Cuiabá

Maggi teria avaliado R$ 4 milhões para vaga de Ricardo

Palácio do Planalto avalia que ação contra Silval é "retaliação"

PF prende Eder e Riva e realiza buscas na Assembleia

PF investiga suposta "compra" de vaga no Tribunal de Contas

Ministro ordenou prisão de deputado e ex-secretário em MT

Ministério Público Estadual também seria alvo de operação da PF

Promotor do Gaeco foi alvo da PF; MPE emite nota










Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

SIDNEY P. MACIEL  21.05.14 12h00
Empresário de sucesso, tido como bom administrador das suas empresas,fica difícil explicar Prefeito. Emprestar dinheiro de Posto de Combustível e depois formular um contrato com a Prefeitura sem licitação. O povo quer saber: O contrato de Mútuo foi feito de acordo com as normas do Banco Central? Quias foram os juros praticados? A Comercial Amazônia de Petróleo estava habilitado para praticar esta operação de empréstimos? Este empréstimos esta lançado na Contabilidade da Comercial Amazônia de Petróleo? Ou seja, no passivo da empresa? Os juros e correções configura com receita financeira da empresa, será que esta lançado na contabilidade?
8
0
_Marcelo_  20.05.14 18h33
prefeito, o senhor como é um homem esclarecido, de posses, caso tenha algum problema pontual de liquidez, sugiro procurar alguma instituição financeira, preferencialmente de renome, onde os juros são bem mais em conta do que aqueles praticados por "instituições alternativas", ainda mais aquelas que possuem negócios com o município do qual é gestor. Eu sei que o sr. Não tem nada de ingênuo, portanto fica difícil explicar depois.
159
8
saraiva  20.05.14 17h56
Um prefeito,MILIONÁRIO,pegando esse tipo de empréstimo?E porque NÃO PEGOU no sistema financeiro(BANCOS)?Explica mas não justifica...
185
23

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados