ENQUETES

Se as eleições em MT fossem hoje, em quem você votaria para governador?

PUBLICIDADE

Cotidiano / LAVAGEM DE DINHEIRO
20.05.2014 | 18h09
Tamanho do texto A- A+

Juiz cita indícios de "parceria" de Eder e Júnior Mendonça

Juiz federal Jeferson Schneider menciona empréstimo de R$ 4 milhões a Silval

Divulgação

Clique para ampliar

O juiz Jeferson Schneider, que decretou busca e apreensão na Operação Ararath

LAICE SOUZA
DA REDAÇÃO
O juiz Jeferson Schneider, da 5ª Vara Federal de Cuiabá, afirmou, em sua decisão que decretou a busca e apreensão em empresas da Capital e em São Paulo, a existência de “fortes indícios” de práticas de crimes, que teriam sido praticados pelo então secretário de Estado de Fazenda de Mato Grosso, Eder Moraes, para “verter recursos públicos” e beneficiar o grupo político do qual ele pertencia.

Na decisão, ele cita o ex-governador e hoje senador Blairo Maggi (PR) e o governador Silval Barbosa (PMDB).

“A partir do que fora até agora apurado, existem fortes indícios de que o investigado Éder de Moraes Dias, em seu interesse e no interesse de seu grupo político, na época governador do Estado e hoje senador da República, Blairo Borges Maggi, e na época vice-governador e hoje governador do Estado, Silval da Cunha Barbosa, cometeu em coautoria diversos crimes contra a administração pública estadual, com o objetivo de verter recursos públicos”, diz o juiz, em trecho da decisão.

Na decisão, Schneider diz que estão “suficientemente demonstrados na longa e detalhada representação policial” a materialidade e indícios de autoria de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, gestão fraudulenta e fazer operar instituição financeira sem a devida autorização e lavagem de dinheiro.

Parceria enter Eder e Júnior Mendonça

O juiz também destaca uma possível parceria de Eder Moraes e Gércio Marcelino Mendonça Júnior, o Júnior Mendonça, da Amazônia Petróleo e da Global Fomento.

“A partir do resultado de buscas e apreensões de elementos de prova, quebra de sigilo bancário, fiscal e interceptação telefônica, assim como do depoimento do investigado colaborador, Gércio Marcelino Mendonça Júnior, é possível afirmar a existência de fortes indícios de que a investigado Éder Moraes operava conjuntamente com Gércio Mendonça uma instituição financeira clandestina, captando, emprestando e lavando dinheiro de origem ilícita, via empresas Globo Fomento Ltda. e Comercial Amazônia de Petróleo Ltda., pertencentes a Gércio Marcelino Mendonça Júnior”, afirma na decisão.

Segundo os autos, a relação entre os dois investigados teria começado em 2008, “com um empréstimo ao então vice-governador Silval Barbosa, no valor de R$ 4 milhões, tendo por garantia uma nota promissória de mesmo valor, na qual constava como emitente e avalista Silval Barbosa e Eder Moraes”.

“Uma vez não honrado o pagamento do empréstimo, Gércio Marcelino Mendonça teria procurado Éder Moraes na Secretária de Fazenda, pois à época o investigado Éder de Moraes era o secretário de Fazenda. Nessa oportunidade Eder de Moraes se comprometeu a honrar com o compromisso, mediante um depósito no valor de R$ 4.750.000,00, que seria realizado pelo Escritório Tocantins de Advocacia, do qual apenas parte ficaria com Gércio Júnior”, diz trecho da decisão.

Do valor emprestado, conforme depoimento do próprio Júnior Mendonça, ele ficaria com R$ 2 milhões. O valor restante teria sido repassado para pessoas indicadas por Éder de Moraes. Na decisão, o juiz afirma que a transferência bancária está comprovada no relatório policial.

Necessidade da busca e apreensão

Ao decretar as buscas e apreensões, o juiz Jeferson Schneider fundamentou a decisão afirmando que elas se mostraram “imprescindíveis para a formação do substrato probatório”.
Quanto ao crime de lavagem de dinheiro, o juiz afirmou na decisão que “a medida é extremamente relevante para trazer a lume, não só materialidade delitiva, mas, também indícios de autoria, inclusive com relação a pessoas que até o presente momento se mantiveram ocultas”.

Leia mais sobre o assunto:

Alvo da PF diz que pagou R$ 1,4 milhão a Chico Galindo

Ministro do STF negou busca na Amaggi e gabinete de Silval

Silval paga fiança por arma de fogo e é liberado pela PF

Bosaipo e Alencar Soares também foram alvos de buscas

Detidos, PF leva Eder e Riva para Brasília; veja fostos e vídeo

Ministro do STF cita "caderno espiral" de Silval Barbosa

Silval e Mendes teriam recebido R$ 8 milhões para campanhas

Empréstimo de R$ 3,4 milhões e contrato motivaram busca

Suspeito, gerente do Bic Banco está preso em Cuiabá

Maggi teria avaliado R$ 4 milhões para vaga de Ricardo

Palácio do Planalto avalia que ação contra Silval é "retaliação"

PF prende Eder e Riva e realiza buscas na Assembleia

PF investiga suposta "compra" de vaga no Tribunal de Contas

Ministro ordenou prisão de deputado e ex-secretário em MT

Ministério Público Estadual também seria alvo de operação da PF

Promotor do Gaeco foi alvo da PF; MPE emite nota

Maggi é investigado pelo STF por suposta lavagem de dinheiro



Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Gabriel  21.05.14 17h00
Parabéns a PF e ao Juiz Jeferson Schneider pela coragem e pelo senso do dever público, precisamos de mais gente com este espirito de patriotismo, por dos nossos políticos não podemos esperar muita cosa, só esperamos que a Justiça agora mantenha estes senhores presos. PARABENS JEFERSON E PARABÉNS A PF.
8
0
Iara Lucena  20.05.14 23h38
Parabéns pela cobertura objetiva e imparcial, sempre dificil nos meios jornalísticos. A matéria desta repórter sempre está acima da média dos demais colegas. Parabéns pela didática com que escreve de forma simples e que todos compreendem.
51
2
Jorge Ferro  20.05.14 20h29
Esse filme de prender por uns dias e dar prensa etc e tal, estamos cansados de assistir.O que a sociedade interessa é saber onde está o dinheiro que foi desviado e fazê-lo voltar para os cofres publicos, para ser empregado em saúde, educação e segurança. "Patrimonio esse povo tem".
79
0

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados