PUBLICIDADE

Cotidiano / DE CUIABÁ
28.05.2017 | 11h36
Tamanho do texto A- A+

Caçador de terremotos amador ganha fama no exterior e incomoda cientistas

Aroldo Maciel Máximo dos Santos, de 44 anos, é uma celebridade no Chile

José Medeiros/Folhapress

Clique para ampliar

Aroldo é um desconhecido pela maioria dos brasileiros. No Chile, precisa de escolta da policia

DA FOLHA DE S.PAULO

Desconhecido até mesmo em Cuiabá, onde mora há 22 anos, o operador de áudio Aroldo Maciel Máximo dos Santos, 44, é uma celebridade no Chile, onde chega a precisar de escolta para conseguir circular em locais públicos.

 

São mais de 400 mil seguidores nas redes sociais, entrevistas concedidas para quase todas as emissoras de TVs do país e até uma carta do ex-presidente chileno Sebastián Piñera com agradecimentos pelos serviços prestados àquela nação.

 

O motivo de tanto interesse dos chilenos: desde 2012, Maciel conseguiu antecipar –com antecedência de dias– a chegada de dez abalos sísmicos registrados no outro lado dos Andes. Todos eles com magnitude acima de 6 pontos na escala Richter.

 

O método que tenta entender o padrão dos tremores pelo mundo é polêmico inclusive entre os cientistas da área. É muito difícil cravar a existência de um único padrão.

 

Até hoje, os pesquisadores de abalos sísmicos são céticos. Para eles, é impossível prever com precisão quando virá um terremoto.

 

No Chile, marcado por frequentes abalos sísmicos, os serviços de monitoramento registraram, em 200 anos, 97 terremotos de magnitude acima de 7 pontos na escala Richter.

 

Destes, 18 eventos, acima da magnitude 8, foram classificados como altamente destrutivos pelos estudiosos.

 

O último evento antecipado pelo brasileiro, de 6,9 pontos, atingiu a região de Valparaíso em 24 de abril. Maciel falava ao telefone com apresentadores de uma TV local sobre o sismo quando ele ocorreu.

 

A história do operador é ainda mais inusitada porque ele jamais havia estudado geologia –ou área correlata– para conseguir desenvolver a tese que defende.

"Acho que isso até ajudou. Se eu tivesse estudado, talvez não acreditasse que existe algo além de placas tectônicas", diz. "O conhecimento é baseado no que outras pessoas estudaram. Então, se você já tem uma opinião formada, não quer saber de outra verdade."

 

Ele descobriu um padrão de eventos pesquisando sozinho em um site que monitora tremores em todo o planeta. Imprimiu relatórios de eventos que ocorreram em um intervalo de dez anos, um calhamaço, e passou a analisar os eventos de maior intensidade.

 

Maciel diz ter chorado quando viu a existência de um padrão. "Imagina você se sentir um nada... Não tinha estudo, não tinha droga nenhuma. Aí você descobre uma coisa e vê que aquilo é grandioso. E numa brincadeira."

 

Brincadeira porque, segundo ele, a ideia surgiu em um churrasco entre amigos.

 

Cada um falou uma ideia de como pretendia ficar milionário e Maciel não tinha nenhuma. Uma amiga sugeriu a ideia "impossível" de um serviço de previsão de terremotos.

 

A tese de Maciel, já apresentada de forma semelhante por outros pesquisadores, é a de que os grandes terremotos seguem um padrão: caminham em linha reta de um ponto a outro, com intervalo de dias dependendo da magnitude do evento.

 

De um continente ao outro, a velocidade é algo em torno de 155 quilômetros por dia, dependendo da magnitude. Além do Chile, conseguiu, segundo ele, antecipar tremores na Espanha, na Turquia, Equador e no Peru.

 

O operador continua seu monitoramento e publica nas redes sociais quando há risco de tremores. "Eu só publico aqueles em que as pessoas vão chorar e gritar", disse. Nas localidades onde há possibilidade de ocorrer um evento, representantes da defesa civil chegam a alertar a população para as consequência do tremor.

Maciel não ficou rico com a descoberta, como previa a brincadeira. Nem pretende. Repassa sua tese a quem se interessa por ela. Só lamenta haver estudiosos que o criticam –não por tentarem, sem sucesso, invalidar a pesquisa, mas por ele não ter diploma de geólogo. "Dizem que sou um ignorante sem nunca ter lido nada que escrevi."

 

Mas Maciel conseguiu um aliado: George França pesquisador do Observatório Geológico da Universidade de Brasília, que chegou publicar um trabalho em um congresso em parceria com o caçador de terremotos autodidata.

 

Segundo França, agora é a hora de fazer uma pausa estratégica na pesquisa. "Era importante que as postagens não continuassem até a pesquisa estar bem fundamentada", afirma. "O Aroldo é do povo, se preocupa com as pessoas. Quando ele apresenta suas ideias, a comunidade cientifica normalmente não as recebe porque falta comprovação. É supernormal isso."

 

Segundo ele, seria necessário que que a dupla estudasse geologia, geofísica ou até mesmo física para sustentar a pesquisa do autodidata. "Esse caminho midiático que existe no Chile atrapalha um pouco. O silêncio na hora certa para depois poder divulgar o estudo com maior comprovação é essencial", diz França.

 

O próprio operador ratifica as palavras do cientista da UnB. Diz que não consegue consegue acertar nem 70% dos casos, mas acha que esse percentual pode aumentar. "Nem sei o que é. Só sei que existe um fenômeno que precisa ser estudado. Meu limite vai até aqui. Mas sei que existe uma correlação", disse ele




Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Cecilia Cáceres Gómez  29.05.17 17h19
Excelente nota sobre @AroldoMaciel, desde que sigo sus informes reacciono más adecuadamente ante un sismo debido a que antes por estar ignorante de estos entraba en pánico y ahora ya me controlo mejor por eso estoy muy agradecida de que comparta sus ideas al respecto. Bendiciones.
2
0
alexandro oliveira  29.05.17 09h40
Parabéns ao Haroldo e ao Midia News pela matéria. Ao menos uma pauta positiva nesse mar de notícias ruins. A ciência positivista teve e tem um importante papel na desenvolvimento da humanidade, mas peca ao querer ser a única detentora da verdade. Haroldo, a história mostra que os verdadeiros gênios são aqueles que desafiam o que está posto como dogma. Desejo-lhe sucesso em suas pesquisas.
3
0
JANY  28.05.17 16h47
Parabéns, nobre colega, você merece todo esse reconhecimento. Estou orgulhosa de você.
4
0

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados