ENQUETES

A que você atribui a renovação da Assembleia e da Câmara neste ano em MT?

PUBLICIDADE

Cotidiano / PÂNICO NO FÓRUM
02.10.2018 | 11h16
Tamanho do texto A- A+

CNJ cobra providências e pede segurança a juiz baleado

Magistrado foi ferido por homem que pedia que júri popular fosse marcado com rapidez

STJ

Clique para ampliar

O ministro Humberto Martins, corregedor Nacional de Justiça

DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O ministro Humberto Martins, corregedor nacional de Justiça, cobrou do Judiciário do Estado segurança aos magistrados que estiverem no exercício de sua atividade em Mato Grosso.

 

A Corregedoria é um órgão vinculado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

 

O pedido foi feito por meio de uma nota, enviada após o juiz Carlos Eduardo de Moraes de Silva, da 2ª Vara de Vila Rica (1.279 km de Cuiabá), ser baleado no ombro por um homem que respondia a processo de homicídio e que tentava pressionar o magistrado para que o júri popular fosse marcado com rapidez. Ele foi morto por seguranças do órgão.

 

O ministro cobrou informações acerca das providências adotadas pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Rui Ramos, no caso específico e também quanto à situação geral da segurança dos magistrados estaduais.

 

“Martins também manteve entendimento com o presidente da Associação dos Magistrados do Brasil, juiz Jayme de Oliveira Neto, e com o presidente da Associação dos Magistrados de Mato Grosso, juiz José Arimatéia Neves Costa, para que seja oferecida ao magistrado toda a segurança necessária para o exercício de sua atividade de Judicatura”, disse por meio de nota.

 

O Departamento de Segurança Institucional do Poder Judiciário (DSIPJ) do CNJ dará apoio para a efetivação desta e de outras ações que se façam necessárias para a garantia da segurança dos magistrados

“O corregedor Nacional de Justiça encaminhou um ofício ao desembargador Rui Ramos solicitando que todas as situações análogas e as providências que estão sendo adotadas sejam informadas à Corregedoria Nacional de Justiça”, afirmou.

 

Também por meio de nota, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF) afirmaram que o caso reforça a necessidade de e aprimorar procedimentos e infraestrutura de segurança nos prédios da Justiça brasileira.

 

“O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) realiza um diagnóstico para melhorar a segurança dos prédios do Poder Judiciário local. Os estudos incluem a utilização de um sistema de controle de acesso de pessoas, com equipamentos como alarmes e detectores de metais. O Departamento de Segurança Institucional do Poder Judiciário (DSIPJ) do CNJ dará apoio para a efetivação desta e de outras ações que se façam necessárias para a garantia da segurança dos magistrados, servidores e visitantes, bem como das áreas e instalações de suas unidades judiciárias”, disse.

 

O caso

 

Informações levantadas junto aos servidores da Comarca relatam que o juiz Carlos Eduardo de Moraes havia acabado uma audiência de custódia, na tarde de segunda-feira (1º), quando um advogado entrou na sala seguido pelo agressor.

 

O homem sacou a arma escondida e, primeiro, ameaçou promotor de justiça Eduardo Zaque. O magistrado interveio na situação e deu início a uma luta com o agressor, que em seguida atirou.

 

A Polícia, que também estava no local e acompanhou o impasse, solicitou que Domingos largasse a arma, mas não obteve sucesso. O policial então disparou contra o agressor, que morreu no local.

 

O juiz foi encaminhado para o Pronto-Socorro do Município, que fica próximo ao fórum. Posteriormente, foi transferido para um hospital em Palmas (TO).

 

Segundo o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, ele recebeu alta médica nesta terça-feira (2) e segue em recuperação.

 

Ainda segundo o TJ, o magistrado não irá retirar o projétil no momento e deve retornar à comarca na quinta-feira (4).

Divulgação

Juiz Carlos Eduardo de Moraes de Silva

O juiz Carlos Eduardo de Moraes e Silva, que foi baleado no Fórum de Vila Rica

 

Um vídeo do circuito de monitoramento interno do Fórum flagrou o momento do ataque ao juiz.

 

Pela câmera instalada no corredor, é possível ver o momento de pânico que tomou conta do local e ouvir quando os disparos são feitos. O vídeo mostra o momento que o magistrado sai ferido da sala e corre.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Vídeo mostra confusão em Fórum durante ataque a juiz em MT

 

Tribunal afirma que juiz lutou com atirador antes de ser baleado

 

Homem invade Fórum, atira em juiz e é morto por policiais militares

 




Clique aqui e faça seu comentário


1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Camila Couto  02.10.18 14h29
Querido CNJ, não se esqueça que o magistrado não trabalha sozinho na Comarca! A segurança deve ser para TODOS.
12
1
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados

Ver em: Celular - Web