ENQUETES

Na sua opinião, os "Amarelinhos" da Prefeitura de Cuiabá:

PUBLICIDADE

Cotidiano / GRAMPOS
16.05.2017 | 10h50
Tamanho do texto A- A+

Comandante instaura inquérito para investigar participação de PMs

Instituição não divulgou nomes dos policiais que serão investigados

MidiaNews

Clique para ampliar

O comandante geral da PM de Mato Grosso, coronel Jorge Luiz de Magalhães

DA REDAÇÃO

O comandante geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Jorge Luiz de Magalhães, determinou na segunda-feira (15) a instauração de um inquérito policial Militar (IPM) para apurar as denúncias de desvio de conduta atribuídas a militares na utilização do sistema 'Guardião'.

 

A PM não informou os nomes dos policiais que serão investigados no caso. O IPM terá prazo de 40 dias para ser concluído, podendo ser prorrogado por mais 20.

 

De acordo com informações, coronéis da Polícia Militar, mais assessores do primeiro escalão do Palácio Paiaguás, se utilizariam do esquema para monitorar adversários políticos, jornalistas, advogados e empresários. A Procuradoria-Geral da República (PGR) apura se o governador Pedro Taques tinha conhecimento do crime.

 

Jorge Luiz esclareceu que desconhece o uso indevido do Guardião desde o início da sua utilização.

 

Ele explicou também que o emprego do sistema é legal, ocorrendo somente mediante autorização judicial, e que todos os dados que constam no sistema são plenamente auditáveis, o que facilita as investigações, inclusive.

 

De acordo com Jorge Luiz, “é preciso esclarecer de antemão que a Polícia Militar usa o ramal do Guardião exclusivamente para instruir Inquéritos Militares, e que o encarregado de IPM’s não tem o poder de interceptar ninguém, mas apenas de representar judicialmente junto a Vara Especializada da Justiça Militar pelos números telefônicos, cabendo ao magistrado autorizar a concessão ou não das interceptações nas apurações das infrações militares, depois de ouvido o Ministério Público”, frisou.

 

“A Polícia Militar é uma Instituição legalista, e por isso mesmo procederá com uma apuração rigorosa dada à gravidade das denúncias, que só chegaram ao nosso conhecimento agora, para que não haja dúvidas sobre a sua seriedade e idoneidade neste caso. Porém, não podemos ser precipitados na condenação de quem quer que seja. Se houver conduta imprópria de policial militar, ele arcará com suas responsabilidades na medida exata do que determina a lei. Ocorre que não podemos jamais condenar toda uma instituição pelo eventual equívoco de alguns de seus milhares de integrantes”, frisou Jorge Luiz.

 

Guardião

 

O ‘Guardião’ é um sistema de software e hardware de interceptação telefônica de alta tecnologia. No caso em discussão, a PM tem acesso a um ramal do sistema que pertence ao Ministério Público Estadual, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). A utilização pela PM se dá por meio de um termo de cooperação técnica firmado entre a Polícia Militar, por meio da SESP e o MPE por meio do GAECO.

 

De acordo com o comandante geral, a interceptação não é feita de forma indiscriminada e é necessário que as operadoras de telefonia – mediante autorização judicial – enviem ao Guardião os dados e a voz dos telefones monitorados por um período de tempo determinado em decisão judicial, não existindo a possibilidade de uso “avulso” do equipamento.

 

Jorge Luiz explicou, ainda, que o Guardião é uma ferramenta utilizada, mediante autorização judicial, nas atividades de polícia judiciária militar e não de inteligência. E que dado o envolvimento genérico do nome da instituição, foram solicitadas informações mais precisas junto ao Ministério Público Federal, Rede Globo de Televisão e ao promotor de Justiça Mauro Zaque, até para poder se manifestar com maior propriedade a esse respeito.

 

O comandante geral reiterou que “a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso não concorda com práticas que firam os direitos e garantias constitucionais, dentre eles o do sigilo e inviolabilidade das comunicações. Exatamente por isso deseja que os fatos sejam apurados à luz da lei. O presente posicionamento institucional ocorre após as coletas de informações junto à nossa corregedoria geral e matérias divulgadas na mídia, sendo que ainda dependemos do recebimento do inteiro teor das denúncias a serem fornecidas pelas autoridades e órgãos citados acima”.

 

Jorge Luiz enfatizou ainda que a “Polícia Militar deseja manter as parcerias estabelecidas com o Poder Judiciário e o Ministério Público, reiterando nosso profundo respeito e confiança às instituições em evidência”.

 

Leia mais:

 

Magistrado e filha de Arcanjo estão entre supostos grampeados; veja

 

 

 

Zaque diz que Governo tenta desviar a atenção ao falar de fraude

 

Janaina diz que vai propor CPI para apurar “arapongagem” em MT

 

Zaque diz que saiu do Governo porque Taques não agiu

 

Fantástico mostra esquema de grampos clandestinos em MT; veja

 

Taques diz que promotor tentou intervir em nomeação de chefe do MPE

 

“Vamos investigar e a ordem é responsabilizar quem quer que seja”

 

Taques nega "arapongagem" oficial e diz que vai processar Zaque

 

Gaeco diz que não investigou grampos envolvendo autoridades

 

Advogado diz que foi grampeado quando atuou na campanha de 2014

 

Botelho afirma que investigação contra Governo é “natimorta”

 

Deputados e jornalista seriam alvos de escutas ilegais em MT

 

Paulo deixa Governo e atuará em denúncia de "grampo" ilegal




Clique aqui e faça seu comentário


1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

JONAS  16.05.17 11h44
DESEJO E PEÇO A DEUS QUE FAÇAM UM TRABALHO SÉRIO,SEM MEDO DE REPRESÁLIAS PARA AGRADAR ESTE OU AQUELE.TRABALHEM CORRETAMENTE PARA DEIXARMOS UM MUNDO MELHOR PARA NOSSOS FILHOS E NETOS, E ESSE PAPEL COMPETE A NÓS.
14
0

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados