Cuiabá, Domingo, 24 de Março de 2019
ENTERRADA VIVA
14.03.2019 | 08h00 Tamanho do texto A- A+

MPE pede à Justiça que bebê indígena seja entregue ao pai

Segundo o pedido, a guarda só será concedida caso a criança continue com os tratamentos médicos

Alair Ribeiro/MidiaNews/Reprodução

Bebê foi resgatada viva após 6 horas enterrada (detalhe); MPE quer concessão de guarda ao pai

BRUNA BARBOSA
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) solicitou à Justiça de Mato Grosso que conceda a guarda da bebê indígena que foi enterrada viva durante seis horas logo após o parto, em maio de 2018, ao pai dela, Kayani Trumai Aweti. O caso ocorreu em Canarana (a 838 km de Cuiabá).

 

O pedido de adequação da concessão da guarda da menor será avaliado e, caso favorável, a menina, hoje com 10 meses, passará a viver com o pai biológico dela. 

 

De acordo com o MPE, a bebê precisa realizar exames médicos rotineiros, por meio da Casa de Saúde do Índio (Casaí), responsável atualmente por abrigar a menor.

 

A Casaí deve informar à Justiça sobre a viabilidade da menor continuar realizando o atendimento médico normalmente mesmo vivendo com o pai, que vive em outro município.

 

Os pais da indígena são de etnias diferentes. 

 

O caso 

 

A Polícia Militar de Canarana resgatou a bebê recém-nascido, da etnia Kamayurá, no dia 5 de maio de 2018. Ela havia sido enterrado viva pela bisavó, Kutsamin Kamayura, supostamente com o consentimento da mãe, uma adolescente de 15 anos.

 

Segundo o boletim de ocorrência, o episódio aconteceu por volta das 16h e a criança foi resgatada com vida por volta das 21h, após uma denúncia anônima.

 

Um vídeo divulgado pela polícia mostra o momento da ação para retirar a menina debaixo da terra (veja abaixo).

 

Na época, o major da PM, João Paulo Bezerra, que participou do resgate, descreveu a sobrivência da bebê como "um milagre". 

 

A menina chegou a sofrer uma parada cardiorrespiratória após ser resgatada e passou 36 dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal - dos quais 16 deles, entubada.

 

Uma semana antes da bebê receber alta médida, o pai dela a registrou e demonstrou interesse em assumir a guarda da filha. Na ocasião, ele afirmou que não havia sido informado da gravidez.

 

 

Denúncia

 

Em junho de 2018, o MPE, por meio da Promotoria de Justiça de Canarana, ofereceu denúncia nesta segunda-feira (11) contra Kutsamin Kamayura por tentativa de homicídio duplamente qualificado.
 
Ela é bisavó da bebê indígena Analu Paluni Kamayura Trumai, enterrada viva por quase seis horas. De acordo com o Ministério Público, ao enterrar a recém-nascida ela tentou matá-la asfixiada e com impossibilidade de defesa.

As investigações apontaram que o crime ocorreu na tarde do dia 5 de junho, na residência da acusada, em Nova Canarana, logo após auxiliar no parto da neta adolescente,
 
Depois de cortar o cordão umbilical, a bisavó enrolou a vítima em um pano e a enterrou no quintal, numa cova de aproximadamente 50 cm. 

De acordo com o promotor de Justiça, Carlos Rubens de Freitas Oliveira Filho, a família não aceitava a gravidez da menor pelo fato dela ser mãe solteira.
 
Testemunhas relataram ao Ministério Público que a conduta criminosa foi premeditada e orquestrada semanas antes ao nascimento da criança. A cova foi aberta pela manhã, no dia do parto. 
 
Leia mais sobre o assunto:
 
Pai de bebê indígena comunica à Polícia que pretende criá-la
 
 
Bebê indígena apresenta melhoras, mas estado ainda é grave
 
Policiais resgatam criança indígena enterrada viva; veja vídeo



Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Fabiana  14.03.19 09h43
Espero que caso o pai fique com a criança que ela não venha a sofrer nas mãos da MADRASTRA.
4
0