Cuiabá, Domingo, 16 de Dezembro de 2018
AMBOS CITADOS
14.03.2018 | 08h43 Tamanho do texto A- A+

Deputado contrata Paulo Taques para fazer sua defesa na “Bereré”

Procuração foi assinada no mesmo dia em que Ministério Público Estadual deflagrou a operação

MidiaNews

O ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques: na defesa de Mauro Savi

LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O deputado estadual Mauro Savi (PSB) contratou o advogado e ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, para fazer sua defesa na investigação relativa à Operação Bereré, que apura esquema de desvio, fraude, propina e lavagem de dinheiro no Detran-MT.

  

A procuração em que o político autoriza o advogado – também citado na investigação - a representá-lo foi assinada no dia 19 de fevereiro, mesma data em que a operação foi deflagrada.

 

Mauro Savi é suspeito de integrar o núcleo principal do esquema e ser um dos principais beneficiários do desvio de R$ 27,7 milhões da autarquia, de 2009 a 2015.

 

Segundo as investigações, parte dos valores repassados pelas financeiras à EIG Mercados por conta do contrato com o Detran-MT retornava como propina a políticos, dinheiro esse que era “lavado” pela Santos Treinamento – parceira da EIG no contrato -  e por servidores da Assembleia, parentes e amigos dos investigados.

 

Já Paulo Taques foi citado no depoimento do ex-deputado José Riva, réu confesso de diversos esquemas.

 

Riva afirmou que o então chefe da Casa Civil da atual gestão era beneficiário da propina, junto com Savi, o ex-deputado federal Pedro Henry e o deputado Eduardo Botelho.

 

Alair Ribeiro/MidiaNews

Mauro Savi 05-03-2018

O deputado Mauro Savi, alvo da operação

A menção ao advogado também foi feita pelos sócios da Santos Treinamento, empresa que seria a responsável pela lavagem da propina: Roque Reinheimer e Marcelo da Costa e Silva .

 

Ambos afirmaram que Paulo Taques foi contratado pela EIG Mercados um dia após Pedro Taques (PSDB), primo de Paulo, ter sido eleito governador.

 

Pedido de acesso

 

O primeiro ato de Paulo Taques enquanto advogado de Mauro Savi foi requerer acesso integral às investigações da operação.

 

Em petição assinada conjuntamente com o advogado João Bosco Junior, a defesa de Savi pediu cópias da investigação, uma vez que o sigilo do deputado foi quebrado pelo Tribunal de Justiça.

 

O requerimento foi feito aos delegados Márcio Vera e Alexandra Fachone, da Delegacia Fazendária (Defaz).

 

“Em virtude da quebra de sigilo deferida e, também com arrimo na Súmula Vinculante 14 do STF e o Estatuto da OAB, requerer – caso exista e não haja oposição – cópia dos depoimentos e interrogatórios já colhidos e demais documentos juntados ao caderno investigado conduzido por Vossas Senhorias”, diz trecho do pedido.

 

A operação

 

A operação Bereré foi desencadeada em fevereiro com o cumprimento de mandados de busca e apreensão na Assembleia Legislativa, em imóveis e escritórios, além da sede da empresa em Brasília.

 

São alvos da operação o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), o deputado estadual Mauro Savi (PSB), o ex-deputado federal Pedro Henry, servidores públicos, empresas e particulares.

 

A operação é desdobramento da delação premiada do ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o "Dóia". Ele revelou esquemas de corrupção na autarquia, iniciados em 2009, e que renderia, ao menos, R$ 1 milhão por mês.

 

As empresas FDL Serviços de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação Ltda (que agora usa o nome de EIG Mercados Ltda.) e a Santos Treinamento Ltda teriam sido usadas para lavar dinheiro no esquema.

 

A EIG Mercados venceu uma licitação, em 2009, para prestar serviços de registro de financiamentos de contratos de veículos, por um período de vinte anos.

 

Até julho de 2015, a empresa ficava com 90% da arrecadação anual - estimada em R$ 25 milhões - e o órgão com 10%. Em julho de 2015, já na gestão Pedro Taques (PSDB), o Detran fez um termo aditivo ao contrato, passando a receber 50% da arrecadação.

 

Conforme as investigações, parte dos valores milionários pagos pelo Detran à FDL eram repassados para a empresa Santos Treinamento, que seria de fachada e atuaria apenas para “lavar” e distribuir a propina aos políticos. Dezenas de servidores e parentes de servidores do Poder Legislativo também teriam sido usados para lavar o dinheiro arrecadado por meio do esquema criminoso.

 

Leia mais sobre o assunto:

 

Sócios de empresa dizem que Paulo Taques foi contratado pela EIG

 

Riva cita na Defaz os supostos emissários da propina a deputados




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia