ENQUETES

Você é a favor ou contra a saída de Blairo Maggi da política?

PUBLICIDADE

Judiciário / REPRESENTAÇÃO NO TJ
01.11.2017 | 15h42
Tamanho do texto A- A+

Juiz atuou no próprio processo em que é parte, diz ex-vice da OAB

Cláudia Aquino foi processada por Fernando Melo e o próprio juiz teria movimentado processo

MidiaNews

Clique para ampliar

A advogada Cláudia Aquino, que ingressou com representação contra juiz

LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A advogada Cláudia Aquino, ex-vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT), ingressou com uma representação disciplinar contra o juiz Fernando da Fonsêca Melo, de Barra do Garças, em que o acusa de ter despachado no próprio processo em que é parte.

 

A representação foi ajuizada por ela e pelo advogado Fabiano Rabaneda na Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, na última segunda-feira (30).

 

A irregularidade, conforme o documento, ocorreu no processo movido por Fernando Fonseca contra Cláudia Aquino e o ex-presidente da OAB-MT, Maurício Aude.

 

No processo, o juiz pede indenização por conta dos supostos danos morais que teria sofrido em razão de um desagravo realizado contra ele em 2015.

 

Também foram acionados pelo juiz os advogados Jair Roberto Marques (que pediu o desagravo), Fabio Capilé (relator do processo que culminou no ato) e Luiz da Penha (então presidente do Tribunal de Defesa das Prerrogativas da OAB).

Evidentemente, ao despachar no processo o representado atende seus interesses, já que determina a ele mesmo que se manifeste no prazo de dez dias

 

Fernando Melo foi alvo de desagravo da OAB-MT após alterar um alvará judicial para impedir o advogado Jair Roberto Marques de sacar os valores no processo de um cliente, por suspeitar que Marques não faria os repasses.

 

Impedimento

 

Na representação, Cláudia Aquino relatou que o juiz Fernando Melo foi intimado no processo para contestar a versão dos fatos apresentada por ela.

 

Todavia, o despacho da intimação foi emitido pelo próprio magistrado autor da ação e que, “por óbvio”, não poderia atuar no processo, “violando severamente suas atribuições funcionais e o inciso IV do artigo 144 do Código de Processo Civil”.

 

“Evidentemente, ao despachar no processo o representado atende seus interesses, já que determina a ele mesmo que se manifeste no prazo de dez dias”.

 

Além disso, a advogada alegou que no termo de audiência assinado pelas partes foi determinado prazo de cinco dias para a réplica e mais cinco para a tréplica. Na prática, o juiz só poderia se manifestar até o dia 16 de julho, e não somente agora.

 

“Certamente que no processo não há mais condições de ampla defesa, já que sendo o juiz titular do juizado e agindo desta forma, como poderemos ter uma decisão que seja justa e imparcial?”, questionou.

 

Uso do poder

 

Na representação, Cláudia Aquino ainda afirmou que Fernando Melo tem usado de seu poder hierárquico para obter benefícios na ação.

 

“É importante dizer que o uso da estrutura restou bastante evidente quando, na audiência de conciliação, o juiz Fernando Melo disse para a conciliadora que o contrato dela estava vencendo e que teriam que renovar, tentando mostrar influência e poder perante aquela servidora”.

 

Para a ex-dirigente da OAB-MT, o processo movido pelo juiz contra os responsáveis pelo desagravo são motivados por “vingança”.

 

“Concluindo, o magistrado representado não poderia de forma alguma despachar no processo em que é parte, violando a imparcialidade do processo ao promover para si a devolução de um prazo que se esgotou, conforme se prova através da assinatura digital aposta no documento PJE -ID10170439. A lei veda, peremptoriamente, ao magistrado procedimento incompatível com a dignidade, honra e decoro de suas funções, devendo sempre manter conduta irrepreensível no exercício de suas funções”.

 

“A gravidade do ato praticado pelo magistrado representado, de despachar no processo em que é parte, juntamente com outros fatos praticados, como o de na audiência de conciliação dizer para a servidora contratada que ele precisava renovar o contrato dela, inclusive ao que ele mesmo escreveu: “(...) já que seus reclamos estão sendo reduzidos a termo por servidores do Poder Judiciário, não ocorrendo o suporte profissional técnico para assisti -la” mostra que a corregedoria do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso precisa agir imediatamente”.

 

Além de pedir para que a Corregedoria impeça o juiz Fernando Melo de atuar no próprio processo que move, Cláudia Aquino e Fabiano Rabaneda também requereram a instauração de sindicância ou processo administrativo disciplinar para apurar a conduta do magistrado, além de envio do caso ao Ministério Público Estadual (MPE) para apuração de possível ato de improbidade administrativa.

 

Outro lado

 

A redação não conseguiu entrar em contato com o juiz Fernando Melo. A operadora informou que o número de celular obtido como sendo do magistrado não existe. 

  

Veja fac-símile do despacho do juiz no próprio processo:

 

print juiz despacha no proprio processo

 

 

Leia mais sobre o assunto: 

 

Ex-dirigentes da OAB-MT são processados por juiz do interior

 

OAB faz desagravo contra juiz de Mirassol nesta terça

 

AMAM diz que OAB-MT fez interpretação “tendenciosa”

 

OAB marca data de desagravo contra juiz de Mirassol

 

Juiz nega ter tratado advogados como “marginais”




Clique aqui e faça seu comentário


4 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Raimundo Silva Santos  02.11.17 12h27
Raimundo Silva Santos, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Antonio  02.11.17 05h20
quanta babaquice
2
5
Maurílio Rodrigues de Mattos   02.11.17 00h30
Acredito na lisura do Magistrado Fernando da Fonseca Melo e me cheira montagem com participação de servidor da assessoria ou secretária . Demais disso não confio no processo eletrônico; talvez eu venha confiar mas quando for validade uma assinatura eletrônica através da impressão digital do magistrado, podendo usar quaisquer dos dedos que a pessoa do referido juiz titular e presidente do processo possuir. Exemplo: Se possuir todos os membros de nome dedo, poderá utilizar um dos vinte dedos normais de um ser humano. É assim darei credibilidade a um poder judiciário tanto desacreditado como o do Brasil. Doutor Fernando, continue esse magistrado probo como foi em Mirassol D'Oeste Mt. Para galdio da verdade registro não dever obrigações a nenhum membro da magistratura mato-grossense e quaiser autoridades. Não tenho nenhum inimigo declarado e respeito todas pessoas. Sou defensor pessoal de crianças, idosos e pobres humildes. Registro por fim que o supremo JUIZ (DEUS) não permitirá que os injustos prevaleça sobre os justos. Maurílio Rodrigues de Mattos há 39 anos no serviço público em Mirassol D'Oeste MT. No tempo de Deus haverá justiça. "Quem viver verá ".
2
12
João da silva   01.11.17 16h26
Boa tarde. Isso que da procedimentos eletrônicos ,garanto a você se fosse processo físico não acontecer isso. Manifesta os nobres causídico,que juiz e parte no processo ,porém como é um procedimento eletrônico o assessor ou gestor da vara deveria ter pedido a. Outro magistrado despachar nos autos ou então distribuir para outro juizado como foi. EM vara interior fosse solicitado ao juiz mais próximo da região "o juiz deve respaldar que e componente eletrônico na qual. Vai assinatura eletrônica do juiz ,mais feitos por auxiliares juiz na vara " e passível. Ratificação em seguida manifestação nos autos ,pelo seu advogado constituído nos autos!
9
24
1999-2018 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados