Cuiabá, Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018
RÉU DA SODOMA
26.10.2018 | 11h00 Tamanho do texto A- A+

Juiz cita "boa-fé" e manda retirar a tornozeleira de procurador

Chico Lima estava com o monitoramento eletrônico desde julho do ano passado

Alair Ribeiro/MidiaNews

O procurador aposentado do Estado, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho

THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

O juiz convocado da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Francisco Alexandre Ferreira Mendes Neto, determinou a retirada da tornozeleira eletrônica imposta ao procurador aposentado do Estado, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o “Chico Lima”.

 

A decisão, desta quarta-feira (24), atende parcialmente um habeas corpus impetrado pela defesa do procurador contra a decisão do juiz Jorge Luiz Tadeu, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, que negou a revogação da medida cautelar no último dia 3 de outubro.

 

Lima estava com o monitoramento eletrônico desde julho do ano passado, quando deixou o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). Ele foi detido em setembro de 2016, durante a deflagração da 4ª fase da Operação Sodoma.

 

Esta fase apura o esquema que teria desviado R$ 15,8 milhões dos cofres do Estado, por meio de fraude e exigência de propina na desapropriação de um terreno no Bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá, em 2014.

 

Segundo a denúncia MPE, o procurador aposentado era o responsável por emitir os pareceres favoráveis aos interesses da organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa.

 

Além disso, constata-se que a defesa juntou no presente mandamus extrato do monitoramento eletrônico o qual demonstra que em um período de três meses não houve violação do monitoramento, o que, ao menos em princípio, demonstra a boa-fé do acusado

No pedido, a defesa alegou a desnecessidade do uso da tornozeleira, esclarecendo que a instrução criminal de todos os processos em desfavor de Chico Lima se encerrou e que ele vem cumprindo rigorosamente há mais de um ano a restrição. Argumentou ainda que o acusado sempre foi colaborativo e participativo no âmbito da persecução penal, não tendo qualquer motivo para fugir.

 

“Demais disso, ressaltam que o simples fato de o beneficiário possuir dois endereços localizados em municípios distintos do estado do Rio de Janeiro, além de um estabelecido nesta Comarca, não obsta o afastamento das medidas cautelares impostas ao paciente, especialmente porque o “Paciente está levando ao conhecimento de V. Exa. todas as suas residências naquela Comarca, agindo com honestidade e transparência”, diz trecho do pedido.

 

A decisão

 

Ao analisar o HC, Francisco Neto rebateu a tese apresentada por Jorge Luiz Tadeu de que o monitoramento visa assegurar a aplicação da lei penal em virtude da dificuldade de localização do acusado, afirmando que não se constata quaisquer notícias no sentido de que o procurador tenha descumprido as medidas cautelares impostas durante todo período em que permaneceu em liberdade.

 

“Além disso, constata-se que a defesa juntou no presente mandamus extrato do monitoramento eletrônico o qual demonstra que em um período de três meses não houve violação do monitoramento, o que, ao menos em princípio, demonstra a boa-fé do acusado”, diz trecho da decisão.

 

“Assim, imperioso reconhecer que após a análise dos dados colacionados ao presente mandamus, que não há elementos concretos que demonstrem a necessidade da manutenção do uso da tornozeleira eletrônica”, diz outro trecho da decisão.

 

O juiz manteve, no entanto, outras seis medidas cautelares impostas a Chico Lima.

 

Entre elas está a  proibição de se ausentar da Comarca sem prévia autorização do Juízo de origem; proibição de manter contato com qualquer investigado, réu ou testemunha relacionada a qualquer um dos feitos vinculados às Operações Sodoma I, II e III e Seven I e II, seja pessoalmente, ou por qualquer meio eletrônico de comunicação; proibição de ausentar-se do País, devendo entregar seu passaporte em até 24 (vintee quatro) horas, nos termos do art. 320 do Código de Processo Penal e proibição de frequentar bares, bocas de fumo, prostíbulos e casas de jogos.

 

“Ademais, advirta-se o paciente que, em sendo descumpridas as medidas descritas acima, poderá ser revogado o benefício”, decidiu.

 

Leia mais: 

 

Juiz nega tirar tornozeleira e proíbe procurador de viajar para o RJ




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
5 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Graci Ourives de Miranda  27.10.18 03h35
A lei é para TODOS?
6
0
Austin Knight  26.10.18 16h23
parabens pela decisão, justiça é para todos, tenho certeza que Dr Francisco merece uma nova chance
10
19
Daniel Campos  26.10.18 12h00
Pelo raciocínio da decisão, se não houve violação do monitoramento em um lapso temporal específico, não é necessário manter o uso da tornozeleira. Mas desde quando a imposição do seu uso está restrita ao cumprimento dessa "boa fé" só por um certo período de tempo? Ela não é devida como forma de evitar a prisão? Se sim, deve valer até que o réu seja absolvido ou que, condenado, a retire agora para cumprimento corporal da pena em presídio.
13
10
Luciano Ramalho   26.10.18 11h44
Tá de brincadeira???
19
6
Heleninha  26.10.18 11h32
Sem comentários, é preciso dizer mais alguma coisa?
24
5