Cuiabá, Quinta-Feira, 21 de Março de 2019
"IMPROCEDENTE"
07.01.2019 | 14h12 Tamanho do texto A- A+

TJ diz que vítima foi culpada por acidente e nega indenização

Colisão envolveu uma motocicleta e um caminhão do Corpo de Bombeiros em Cuiabá

Alair Ribeiro/MidiaNews

A desembargadora Antonia Siqueira Gonçalves, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso

DA REDAÇÃO

A Segunda Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso não acolheu uma apelação e manteve a sentença que havia julgado improcedente um pedido de indenização por danos morais de uma vítima de atropelamento.

 

Segundo a relatora do recurso, desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves, se ficar configurada a culpa exclusiva da vítima no atropelamento, fica aniquilado o nexo causal entre a conduta do agente e o resultado, eximindo-o da responsabilidade de indenizar.

 

O recurso foi interposto pela vítima contra o Estado de Mato Grosso, visto que o caminhão envolvido no acidente é do Corpo de Bombeiros.

 

Consta dos autos que a apelante estava em uma motocicleta quando, num cruzamento, colidiu com o caminhão.

 

Na ação ele alegou ter sofrido fraturas de arcos costais, deformidade da cavidade torácica, derrame pleural, encarceramento pulmonar e também fratura da clavícula, ocasião em que foi submetida a uma cirurgia para a implantação de uma placa de titânio e sete parafusos, motivo pelo qual ficou incapacitada para exercer a função de caixa de supermercado, tendo que ser remanejada para função de auxiliar.

 

Ressaltou ainda que em razão do acidente seu pulmão esquerdo ficou com funcionamento de apenas 50% de capacidade.

 

Salientou que o motorista do caminhão aduziu que não a viu atravessando o cruzamento e que se ele tivesse respeitado a preferencial, o sinistro não teria ocorrido.

 

O motociclista alegou ainda não existir nenhuma prova nos autos que demonstraria que a motocicleta colidiu com o caminhão quando este terminava a travessia do cruzamento, tendo em vista que o acidente ocorreu no lado direito do veículo antes do pneu traseiro.

 

Mencionou também ter suportado o pagamento de despesas materiais (R$ 1.020,78) referentes a consultas e aquisições de medicamentos, razão pela qual pleiteou o pagamento da indenização pelo dano moral e material.

 

Já o Estado argumentou que o acidente ocorreu por culpa exclusiva da vítima, o que afastaria a responsabilidade civil objetiva do ente público.

 

Alegou ter ficado comprovado que no momento da colisão da motocicleta com o caminhão, este já estava finalizando a travessia, de forma que o impacto ocorreu na parte traseira do veículo. Por fim, salientou que o caminhão, por se tratar de um transportador de água, não tem aptidão para tráfego em alta velocidade. Nesse sentido, pleiteou a manutenção da sentença proferida em Primeira Instância.

 

Segundo a desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves, algumas situações fazem desaparecer o nexo causal entre a conduta lesiva (ação ou omissão) e o dano, descaracterizando a responsabilidade do agente pelo resultado. “Entre elas, está a culpa exclusiva da vítima, reconhecida na referida sentença para justificar a improcedência do pedido de indenização”, salientou.

 

A magistrada explicou que o acidente ocorreu quando a viatura do corpo de bombeiros já estava terminando de efetuar o cruzamento e a apelante não esperou, vindo a chocar-se com sua traseira direita. Segundo ela, o fato foi confirmado pelo depoimento do condutor do caminhão e pelo Relatório de Ocorrência do 3º Batalhão de Bombeiros de Rondonópolis, que consignou que a moto colidiu no lado direito traseiro da viatura.

 

“Em que pese a apelante asseverar que o choque ocorreu antes do pneu traseiro do veículo, não há nos autos nenhum boletim de trânsito ou fotos que confirmam suas alegações. Portanto, incontrovertida a dinâmica do acidente, não resta dúvida acerca da culpa da apelante do acidente, uma vez que colidiu com o caminhão quando já terminava de atravessar a preferencial”, observou.

 

Acompanharam o voto da relatora os desembargadores Luiz Carlos da Costa (primeiro vogal) e José Zuquim Nogueira (segundo vogal). A decisão foi unânime.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia