Cuiabá, Domingo, 16 de Dezembro de 2018
PERCIVAL PUGGINA
16.04.2018 | 08h42 Tamanho do texto A- A+

Cuidado, há chavistas por aqui também!

O desastre econômico e social não foi suficiente para que houvesse uma única baixa em sua legião de admiradores

Bastou que Hugo Chávez, há quase 20 anos, começasse a derrubar a democracia na Venezuela, com seu socialismo de frágeis letras e piores números, para surgir aqui seu fã-clube. Ele plantava estatização, cerceamento de liberdades individuais, fechamento de jornais, ódio ao capitalismo, culto de personalidade - e a turma, ao sul do Equador, delirava num misto de inveja e felicidade.

 

Quando o venezuelano parlapatão apareceu em Porto Alegre no Fórum Social Mundial, o estrago já tinha porte suficiente para que o responsável virasse estrela. Não havia, ainda, destroçado a economia de seu país, mas como bom admirador do regime cubano estava no caminho certo. Seria tudo uma questão de tempo. Honra e louvor, então, da esquerda gaúcha ao ditador venezuelano.

 

Alguns anos mais tarde, a morte sepultou-lhe o corpo, despachou-lhe a alma ao devido lugar, mas os despojos ideológicos foram confiados ao sucessor Nicolás Maduro. Estatísticas dos países de acolhida indicam que 7% da população, mais de dois milhões de pessoas, deixaram o país em busca de oportunidades para sobrevivência. A inflação alcançou 2.616% em 2017. Quatro anos consecutivos de crescente recessão deram um tombo de 35% no PIB em relação ao que era em 2014. O socialismo mata.

 

Todo esse desastre econômico e social não foi suficiente para que houvesse uma única baixa em sua legião de admiradores que falam portunhol

Todo esse desastre econômico e social não foi suficiente para que houvesse uma única baixa em sua legião de admiradores que falam portunhol. Ao longo de duas décadas, debati dezenas de vezes com entusiasmados interlocutores chavistas. Ninguém até hoje se retratou das tolices ditas sobre essa maldita receita que, sistematicamente, quebra todos os ovos sem fazer uma única omelete.

 

Patologia incurável! Nicolás Maduro, leio no Estadão deste sábado, quer elevar o número de seus milicianos, hoje um contingente de 400 mil pessoas. “Se queremos de verdade garantir a paz, proponho que, em um ano, haja uma expansão para um milhão de homens e mulheres uniformizados e armados”, disse Maduro durante recente parada militar.

 

Em julho do ano passado, enquanto os venezuelanos eram executados nas ruas pelas milícias chavistas, PT, PCdoB e PDT subscreveram declaração do 23º Encontro do Foro de São Paulo, em Managua, defendendo a ampliação dos poderes de Maduro pela nova Constituinte, exaltando o “triunfo das forças revolucionárias na Venezuela” e afirmando que a “revolução bolivariana é alvo de ataque do imperialismo e de seus lacaios”.

 

Um pouco antes disso, os deputados petistas Paulo Pimenta, Carlos Zaratini e João Daniel, e o psolista Glauber Braga, incentivavam o confronto. Matéria de O Globo, transcreve a posição de Paulo Pimenta: — “Resistam contra o avanço da direita fascista! Vamos às ruas em defesa do projeto da revolução bolivariana! Contem conosco. Estamos juntos nesta luta!”.

 

O pior é que estão juntos, mesmo. Muito cuidado, pois, com os chavistas que falam portunhol. Há uma eleição logo aí adiante.

 

PERCIVAL PUGGINA é escritor.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
2 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Antonio Benedito de Assunção  18.04.18 18h05
Cuiabania: Senhor Puggina, o presidente Hugo Chavez, jamais derrubou a democracia na Venezuela. Quem tentou e tenta golpes na América Latina, são a imprensa golpista, e a elite capitalista que nunca parou com a ambição de se formar um império escravocrata. Aliás, no Brasil foi essa corja quem golpeou a democracia jogando no lixo 54.000.000 milho~es de votos dados democraticamente à Presidenta Dilma.Peço ao senhor assistir ao documentário "A REVOLUÇÃO NÃO SERÁ TELEVISIONADA" o GOLPE NA vENEZUELA, EM ABRIL DE 2002. o GOLPE FOI CONSUMADO, POIS, NÃO HOUVE RESISTÊNCIA DE CHAVES O QUAL FOI PRESO. Mas as manifestações e o apoio de militares fiéis ao país enfraqueceram os golpistas e Chaves retornou ao poder. Puggina, você representa a direita ideológica, conservadora e oporessora, o imperialismo que utiliza o monopólio dos grandes meios de comunicações para promover golpes de estados , principalmente na América Latina.
0
1
Dieggo  16.04.18 15h46
Como sempre em seus artigos, Percival mostra a verdadeira face de PT, PSOL, PC DO B entre outros que apoiam esse tipo de governo. E que tentam a mais de 50 anos implantar o comunismo no Brasil e estamos muito perto.
5
3

Leia mais notícias sobre Opinião: