Cuiabá, Domingo, 20 de Janeiro de 2019
RENATO DE PAIVA PEREIRA
04.11.2018 | 07h00 Tamanho do texto A- A+

Expectativas

A insatisfação com qualquer coisa que não seja perfeita vira um tormento

Por ter nascido pobre vim ao mundo sem grandes expectativas. E como as perspectivas de realização de grandes sonhos eram muito remotas eles ficavam fora da relação dos desejos ou das esperanças.

 

Também os tempos eram outros: não tinha televisão para ver os recorrentes lançamentos da moda; nem se pensava na internet e suas onipresentes redes sociais e, talvez por falta de ferramentas, não havia a tolice de mostrar onde está, o que está fazendo, comprando ou vestindo a todo instante.

 

Claro que vaidades sempre existiram, mas eram mais discretas, tanto que o filósofo brasileiro Matias Aires (1705-1763) afirmou “de todas as paixões a que mais se esconde é a vaidade”. Se ele visse o comportamento das pessoas nas redes sociais buscando likes desesperadamente, por certo concluiria que hoje a vaidade não se esconde.

 

Essa ultra exposição tem o dom de criar e alimentar expectativas, que não satisfeitas causam infelicidade. Se os desejos são adaptados à situação social e econômica de cada um, pequenas realizações transformam-se em grande prazer. Mas se são exagerados ou desproporcionais à possibilidade real vão, dia a dia, acrescentando frustrações, que acumuladas podem provocar doenças.

 

Estatísticas atuais informam que está havendo uma epidemia de depressão e de suicídios, principalmente entre os mais jovens. Os pesquisadores atribuem este aumento aos efeitos da exagerada exposição nas redes sociais de conquistas fabricadas, ou, no mínimo, exageradas, na busca de autopromoção.

 

O culto ao corpo, que consome várias horas por dia forjando músculos à custa de suor e anabolizantes; a insatisfação com qualquer coisa que não seja perfeita – dente meio torto ou não suficientemente branco, seios fora do padrão desejado, nariz sem o formato ideal – aumenta a expectativa de perfeição e vira um tormento às vezes difícil de suportar.

 

Também a exibição de riqueza através de joias, carros, viagens, hospedagens em hotéis chiques, visitas a restaurantes estrelados, roupas caras e bolsas de cinco mil dólares acabam criando uma sensação de infelicidade como se essa condição fosse corriqueira e disponível para todas as pessoas.

 

A inveja, que em maior ou menor grau habita todos os humanos, pode ser gerenciada ou ficar danosamente descontrolada frustrações.

 

Voltando ao começo: o que rege a vida são as expectativas, quem as têm na medida certa dispensa a vanglória de ser o primeiro em tudo e alegra-se com cada pequeno sucesso. Essa história de que “o importante é competir”  deve ficar restrita ao esporte. Para a vida comum eu diria que “competir é importante pra quem acha que é importante competir”.

 

Afinal a vida, como a entendo, é somente uma estrada que partilhamos com outros caminhantes curtindo a felicidade possível e sofrendo os reveses inevitáveis. No fim dela vamos ver que não há um Paraíso à nossa espera e que “cumprir a vida é simplesmente compreender a marcha e ir tocando em frente”, como diz a música do Almir Sater.

 

Renato de Paiva Pereira é empresário e escritor. 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Janeiro de 2019
20.01.19 10h16 » Faltando com a verdade
20.01.19 07h55 » Estados pelo ralo
20.01.19 07h53 » "Garrando" ódio
20.01.19 07h52 » O agro não é o vilão
20.01.19 07h50 » Calamidade passageira
19.01.19 08h01 » Decreto de festim
19.01.19 08h00 » Atraso na entrega do imóvel
19.01.19 07h58 » A extinção do TCE