Cuiabá, Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
VICTOR MAIZMAN
09.10.2018 | 07h15 Tamanho do texto A- A+

Majoração suspensa

Para que o Executivo possa exigir a taxa do pagador de tributos, tal cobrança deve estar respaldada em lei

Reiteradamente venho escrevendo sobre as taxas, sustentando inclusive que o Poder Legislativo já instituiu taxa para tudo, porém a criatividade dos parlamentares é tamanha que sempre há espaço para pretender taxar algo a mais.

 

Assim, para que o Poder Executivo possa exigir a taxa do pagador de tributos, é imprescindível que tal cobrança esteja respaldada em lei.

 

Pois bem, também tenho reiterado que o poder de tributar por parte do Poder Legislativo não é ilimitado, uma vez que deve observar as regras previstas na Constituição Federal.

 

Uma das limitações do poder de tributar é justamente no sentido de que o valor da taxa deve sempre corresponder ao custo da atividade estatal remunerada por tal espécie tributária

E uma das limitações do poder de tributar é justamente no sentido de que o valor da taxa deve sempre corresponder ao custo da atividade estatal remunerada por tal espécie tributária, concluindo assim, que todo o valor arrecadado deve ser vinculado a tal despesa.

 

Porém, em 2013, o Poder Legislativo do Estado de Mato Grosso autorizou o Poder Executivo a elevar o valor de todas as taxas exigidas pelo Estado em 10%, a fim de que fosse tal quantia repassada para um fundo especial.

 

Então, desde 2013, os pagadores de tributos vem sendo obrigados a recolher as taxas com tal adicional, inclusive aquelas exigidas pelas autarquias estaduais, à exemplo do Detran e etc.

 

Todavia, o Poder Judiciário atendendo o pedido de uma determinada categoria impediu que tal majoração fosse aplicada para as taxas exigidas de seus integrantes, sob o fundamento de que tal pretensão viola os limites previstos na Constituição Federal, uma vez que conforme mencionado, a arrecadação da taxa não pode ser destinada à outras despesas que não sejam correlatas a atividade estatal que motivou tal exigência.

 

Em virtude do exposto, é certo aduzir que no mês de aniversário de 30 anos da Constituição Federal, podemos festejar com a possibilidade de se insurgir contra qualquer agressão às regras constitucionais, inclusive nas questões de ordem tributária.

 

Aliás, é cláusula pétrea constitucional de que lesão ou ameaça a direito será sempre tutelado pelo Poder Judiciário quando provocado pelo cidadão, em especial o pagador de tributos. 

 

VICTOR MAIZMAN é advogado e consultor tributário.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Fevereiro de 2019
16.02.19 10h05 » Fisco e artifícios
16.02.19 08h47 » O que é Muxirum
16.02.19 08h40 » A insanidade da ministra
16.02.19 08h35 » A Laranja Mecânica Brasileira
15.02.19 07h40 » Não adianta espernear
15.02.19 07h32 » Oposição desnecessária
14.02.19 14h03 » O jornalismo e o amor
14.02.19 07h35 » Indicação ao TCE