Cuiabá, Domingo, 20 de Janeiro de 2019
VICTOR MAIZMAN
06.11.2018 | 06h58 Tamanho do texto A- A+

O consumidor de energia elétrica

Ele tem o direito de escolher comprar um produto de acordo com a sua capacidade financeira

A Constituição Federal assegura ao trabalhador fazer greve para reivindicar seus direitos ou melhoria das condições de trabalho.

 

O prestador de serviços públicos tem o seu direito assegurado por lei para pedir o reajuste contratual se por alguma razão acontecer perda de sua lucratividade.

 

O Poder Público, por sua vez, tem a prerrogativa, dentro das limitações constitucionais, de elevar a carga tributária se necessitar de mais receita.

 

O consumidor tem a prerrogativa de escolher comprar um produto de acordo com a sua capacidade financeira. Porém, não tem tal benesse se o serviço ou o produto for fornecido apenas por uma empresa, tal qual a energia elétrica.

 

Do exposto, já que o consumidor não tem como ficar sem o fornecimento de energia elétrica e lançar mão do direito a não adquirir tal produto, cabe então cobrar os parlamentares estaduais para que seja alterada a lei no sentido de reduzir a alíquota de ICMS

Ademais, sem prejuízo do fato de que o consumidor não tem a prerrogativa de escolher esta ou aquela empresa, ainda é certo que a energia elétrica é um produto essencial.

 

Não por isso a Constituição Federal impõe que a incidência de ICMS sobre produtos e serviços essenciais devem ter a menor alíquota, ao contrário do que ocorre hoje no Estado de Mato Grosso.

 

Já no tocante ao preço da tarifa de energia, a legislação federal impõe que deve ser observado o critério da modicidade tarifária, de modo que sempre deverá ser praticado o preço possível.

 

Porém, a complexidade para chegar ao valor praticado ao consumidor é flagrante.

 

Assim, justamente por ser um produto essencial, fica claro de que há abuso tanto na fixação do preço da energia elétrica, como também na carga tributária que incide sobre o respectivo valor.

 

Do exposto, já que o consumidor não tem como ficar sem o fornecimento de energia elétrica e lançar mão do direito a não adquirir tal produto, cabe então cobrar os parlamentares estaduais para que seja alterada a lei no sentido de reduzir a alíquota de ICMS, bem como os parlamentares federais, a fim de que seja alterada a legislação para permitir que demais empresas possam também vender tal mercadoria.

 

Aliás, um dos princípios fundamentais da ordem econômica previsto na Constituição Federal é justamente o da Livre Concorrência.

 

Então, cai como uma luva a lição de Tancredo Neves ao sentenciar que a cidadania não é atitude passiva, mas ação permanente, em favor da comunidade.

 

VICTOR HUMBERTO MAIZMAN é advogado e consultor jurídico.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Janeiro de 2019
20.01.19 07h55 » Estados pelo ralo
20.01.19 07h53 » "Garrando" ódio
20.01.19 07h52 » O agro não é o vilão
20.01.19 07h50 » Calamidade passageira
19.01.19 08h01 » Decreto de festim
19.01.19 08h00 » Atraso na entrega do imóvel
19.01.19 07h58 » A extinção do TCE
18.01.19 07h47 » Créditos de carbono