Cuiabá, Terça-Feira, 22 de Janeiro de 2019
ONOFRE RIBEIRO
08.04.2018 | 08h00 Tamanho do texto A- A+

O futuro nos compreenderá?

As discussões de hoje mostram o quanto estamos pobres de ideias

Na última sexta-feira fui convidado pra participar da solenidade de 25 anos da fundação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural-Senar. Trago o assunto neste artigo depois de ouvir a leitura da carta que o jovem presidente do Senar, Otávio Celidônio escreveu e colocou dentro de uma cápsula do tempo instalada na entrada do prédio.

 

Otávio tece uma série de considerações sobre o momento atual que vive o Brasil e nós em Mato Grosso. Mas prospectou também o futuro. Estava ao lado do publicitário Gustavo Vandoni com quem costumo esticar longas e agradáveis conversas. À medida que ouvia a leitura da carta imaginando uma pessoa de 30 anos abrindo a cápsula do tempo em 2043, quando o Senar tiver 50 anos. Terão se passado 25 anos.

 

O que ele compreenderá daquilo que ler? Mais. Ela entenderá todos os questionamentos da carta? Ouvindo a leitura e comentando com Gustavo Vandoni, imaginamos o quanto estamos perdidos no tempo à luz de quem nos ler daqui a 25 anos. Certamente se perguntará: como podia se viver com tanto primitivismo de ideias e de atitudes naquele tempo de 2018?

Como podia se viver com tanto primitivismo de ideias e de atitudes naquele tempo de 2018?

À medida que Otávio lia a sábia carta de duas folhas, senti-me profundamente incomodado de estar vivendo agora e de ser julgado como um idiota daqui a 25 anos. As discussões que vivemos hoje e que foram registradas na carta, mostram o quanto estamos pobres de ideias, de vivências e completamente sem respostas pra problemas tão pequenos de hoje.

 

Entendi aquela carta como um testamento das nossas fragilidades como nação, como gente dessa nação e como habitantes de Mato Grosso.

 

Perguntas sobre assuntos banais que hoje emperram a nossa compreensão do mundo. Devo confessar que saí de lá bem diminuído. Não vou entrar no conteúdo da carta e permitir-me ficar só no seu espírito de indagações. Quem a ler no futuro certamente não compreenderá as nossas angústias atuais, mas compreenderá as nossas fragilidades civilizatórias.

 

Sugiro que o Senar divulgue a sua carta pro ano de 2043. Quem sabe nos ajude a raciocinar agora sobre as nossas incapacidades de vivermos bem no nosso tempo e, até, de complicar a construção do nosso próprio 

 

ONOFRE RIBEIRO é jornalista em Mato Grosso




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Janeiro de 2019
21.01.19 07h56 » A raiz da crise fiscal
21.01.19 07h52 » Tiro ao alvo
21.01.19 07h50 » Jornalismo e Mídias Sociais
21.01.19 07h45 » Constituição cidadã
20.01.19 10h16 » Faltando com a verdade
20.01.19 07h55 » Estados pelo ralo
20.01.19 07h53 » "Garrando" ódio
20.01.19 07h52 » O agro não é o vilão
20.01.19 07h50 » Calamidade passageira
19.01.19 08h01 » Decreto de festim