Cuiabá, Quarta-Feira, 20 de Março de 2019
GONÇALO DE BARROS
09.01.2019 | 07h33 Tamanho do texto A- A+

Prazer e dor

O homem e a mulher optam pelo que lhes dão prazer, a utilidade reside nisso

Muito se tem discutido entre a vida fácil, simplória, de pessoa sem comportamento elevado, e a vida daquelas de pensamento responsável, que se dedicam à reflexão.

 

Bentham, que ao lado de Mill ocupa o lugar de destaque na defesa do utilitarismo, resumia tudo a um cálculo primitivo de prazer e dor. Essa seria a fórmula das evidências de escolhas humanas. O homem e a mulher optam pelo caminho que lhes dão prazer, a utilidade reside nisso.

 

Mas entre o pensamento dos dois filósofos citados tem uma singular diferença: um é mais pragmático e o outro destaca o ideal moral da dignidade e da personalidade humana. Mill representa o último, salva o utilitarismo como pensamento filosófico moderno.

 

Quando em textos anteriores escrevíamos sobre os masoquistas e sádicos, o parâmetro de avaliação se concentrava, de forma irônica, exatamente na maior ou menor interação na escolha entre prazer e dor.

Vive feliz na academia, em ver seus músculos mais torneados, o carrinho mais limpinho e potente, e adora, mas como se regozija com isso, as comparações em que o material se sobreleva ao espírito e a alma

Quanto mais conhecimento que o indivíduo tem, a tendência de sua escolha tende para padrões mais elevados, aumentando o próprio stress social. Por ser mais crítico e de axiologia mais aperfeiçoada, sofre mais com as vicissitudes diárias, com as análises da língua solta, irresponsável.

 

O ignorante, é ignorante, nada mais. Vive feliz na academia, em ver seus músculos mais torneados, o carrinho mais limpinho e potente, e adora, mas como se regozija com isso, as comparações em que o material se sobreleva ao espírito e a alma.

 

O homem e a mulher, de estatura moral, sofrem. Os julgamentos apressados, as atitudes antiéticas, a falsa coragem, o moralismo fingido, os fazem masoquistas. Sofrem por opção pelo conhecimento e reflexão. 

 

Em imperdível obra – Justiça-, Michael J. Sandel provoca: “Os desejos de facto não são mais a única base para julgar o que é nobre e o que é vulgar. O padrão atual parte de um ideal da dignidade humana independente daquilo que queremos e desejamos. Os prazeres mais elevados não são maiores porque os preferimos; nós os preferimos porque reconhecemos que são mais elevados”.

 

Os utilitaristas têm razão. Mill os salvam do pensamento estreito ao avançar sobre as escolhas morais. Prazer e dor como opção, com a tendência do menos racional pelo primeiro.

 

Cabe àqueles que sentem as agruras da injustiça, de forma mais crítica e não leviana, a dor dos masoquistas. Muitíssima espiritualizada que o prazer dos sádicos; e dos inocentes que nem sabem o que é isso.

 

É por aí...

 

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO é juiz em Cuiabá.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

josé aparecido thenquini  09.01.19 10h59
Parabéns pelo conteúdo do texto. Estou refletindo sobre ele, em particular em relação ao "critico com língua solta". Será que os Juristas: Lênio Streck e Afrânio Jardim cabem nesta categoria!!!
2
1

Leia mais notícias sobre Opinião:
Março de 2019
19.03.19 07h13 » Feminismo
18.03.19 15h01 » Força, Gilmar Mendes!
18.03.19 07h37 » Trintona
18.03.19 07h36 » Uma grande fazenda high tech
18.03.19 07h30 » Dados assustadores
17.03.19 10h10 » O novo e o velho na política