Cuiabá, Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
ELIZÂNGELA FARIAS
10.08.2018 | 08h05 Tamanho do texto A- A+

Retrocesso das profissões

A educação tornou-se um setor transversal e de negócio importante, porém com profissionais poucos preparados

Enquanto o mercado amplifica atuação de algumas profissões em diversos setores, as políticas públicas delimitam e, consequentemente, ajudam ao reducionismo e principalmente ao retrocesso de ocupações profissionais no mundo produtivo.

 

O olhar reducionista das políticas públicas em especial na formação de profissional da educação vem estimulando a atuação de inúmeras ocupações no campo do ensino e de formação humana sem o profundo estudo na hierarquia da aprendizagem nos diversos setores produtivos, não somente da Educação Básica ou da Educação Superior.

 

As políticas públicas nesse contexto encontram-se na contramão da realidade do mercado que pede e demanda novo perfil profissional da educação nos moldes da sociedade exponencial que vai além da sala de aula

As políticas públicas nesse contexto encontram-se na contramão da realidade do mercado que pede e demanda novo perfil profissional da educação nos moldes da sociedade exponencial que vai além da sala de aula. A educação tornou-se um setor transversal e de negócio importante ao mundo, porém com profissionais da área poucos preparados e sem a noção da dimensão do que seja a estrutura da educação e suas novas vertentes, promovendo a interseção de ocupações profissionais que não pertence ao setor.

 

O desalinhamento das políticas públicas com o contexto real é percebido e evidenciado quando se estabelece as diretrizes curriculares de formação do ensino superior delimitando somente ao ato de licenciar, estimulando diante do cenário que vem apresentando o mercado (tecnológico, inovador, estrutural, ...) o desemprego e a exclusão do profissional da educação, devido a modelagem que foi estruturado o currículo de ensino.

 

Temos o exemplo claro e receoso o ajuste do currículo de formação superior para atender especificamente a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), mas uma vez na contramão, ao invés das Políticas Públicas proporcionar programas de formação abrangendo todos os profissionais da educação em sua particularidade a BNCC, proporciona o reducionismo, esquecendo da dimensão que é a estrutura da educação indo além do contexto de formação formal. 

 

Porém, vale salientar que políticas públicas educacionais se remetem a atos, programas e diretrizes da organização e oferta da educação, que visam assegurar em sumula o direito, acesso e a qualidade de ensino de formar promover a inclusão social e no mercado, cuja intenção é promover uma oferta de ensino não somente de formação humana, mas de transformação formação social.

 

ELIZÂNGELA FARIAS DE OLIVEIRA é mestranda em Educação.




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Fevereiro de 2019
15.02.19 07h40 » Não adianta espernear
15.02.19 07h32 » Oposição desnecessária
14.02.19 14h03 » O jornalismo e o amor
14.02.19 07h35 » Indicação ao TCE
14.02.19 07h33 » O novo já nasce velho
14.02.19 07h29 » O perdão
14.02.19 07h27 » O ninho do urubu
13.02.19 07h39 » Política como missão