Cuiabá, Quinta-Feira, 21 de Março de 2019
PACOTE DE MEDIDAS
09.01.2019 | 12h00 Tamanho do texto A- A+

Mendes apresenta projetos à AL; seis empresas serão extintas

Projetos de lei serão encaminhados nesta quinta-feira (10) para a Assembleia Legislativa

Gcom-MT/Mayke Toscano

O governador Mauro Mendes, que vai apresentar os projetos na Assembleia

DOUGLAS TRIELLI, THAIZA ASSUNÇÃO E CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O governador Mauro Mendes (DEM) apresentou nesta quarta-feira (09) para os deputados estaduais um pacote de quatro projetos que serão enviados na quinta (10) para votação na Assembleia Legislativa.


Entre as medidas estão a reforma administrativa do Executivo, que inclui a reforma e extinção de secretarias e a junção do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) 1 e 2.

 

A reunião com os deputados aconteceu no Palácio Paiaguás, onde houve um almoço.

  

O projeto de reforma administrativa prevê a extinção de seis empresas públicas para cortar gastos e equilibrar as contas.

  

A proposta propõe a extinção da Empresa Mato-Grossense de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer), da Companhia Matogrossense de Mineração (Metamat), da Mato Grosso Desenvolve, Agência Metropolitana (Agem), da Empresa Matogrossense de Tecnologia da Informação (MTI)  e da Central de Abastecimento do Estado (Ceasa). 

 

Em entrevista dada na manhã desta quarta-feira (9), à Rádio Capital, Mendes afirmou que essas empresas não são necessárias para o Estado.

 

“Não vou ficar enrolando igual o [ex-governador] Pedro Taques que ficou um ano e meio falando que ia mandar a reforma administrativa e não mandou. Amanhã já vai a reforma para a Assembleia Legislativa. De 24 nós estamos reduzindo para 15 secretarias. Estou pedindo autorização para extinguir seis empresas públicas. Precisamos economizar, não tem mais jeito. O Estado não pode ser esse gigante. São empresas que nós julgamos não serem necessárias", disse Mendes.

 

"O Estado tem que fazer  aquilo que é necessário, que é importante. O Estado grande demais fica descontrolado e aí fica acontecendo essas maluquices, como na Empaer, salários astronômicos, muito acima da realidade do mercado”, acrescentou.

 

Ao se referir a Empaer, Mendes fala sobre ganhos salariais de alguns funcionários do qual considera exorbitante.

 

O governador citou, por exemplo, que há motorista na empresa ganhando R$ 13 mil ao mês. 

 

“O cidadão tem que entender que quem paga a conta somos todos nós cidadãos, que para manter esse estado de coisas que está aí, daqui a pouco vamos ter que chegar para o cidadão e dizer: O ICMS da energia que é de 40% não está dando mais não, vou ter que subir para 80%. O cidadão não aguenta mais aumento de impostos. Então, essas medidas são para defender o bolso do cidadão para não ter que ficar fazendo mais aumento de carga tributária e fazer sobrar dinheiro para investir naquilo que importa para o cidadão, que é segurança, a educação”, pontuou.  

 

O encontro

 

A reunião aconteceu a portas fechadas. Na chegada ao Paiaguás, o presidente da Assembleia Eduardo Botelho (DEM) se mostrou favorável aos projetos. 

 

"Ele [Mendes] apresentou superficialmente, mas preciso destrinchar, mas sou a favor da unificação do Fethab, das reformas. Sou a favor", afirmou o deputado estadual.

 

Leia mais:

 

Mendes: há funcionário que "serve cafezinho" ganhando 1 hora de salário do Neymar




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
7 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Luiz  16.01.19 20h39
O Governo esta certo nesse ponto, basta olhar a folha salarial da MTI, funcionários recebendo 13,14 mil.. vou citar um exemplo.. Analista de sistemas MTI 9 mil liquido, Analista de sistemas privado 3 mil. È um absurdo isso.
0
0
Soares  10.01.19 07h26
RODRIGO ARRUDA, compreendo a sua revolta, como da maioria da sociedade, e te garanto que muitos dos funcionários dessas empresas privadas de tecnologia da informação gostariam muito de trabalhar na MTI, talvez só não estão por não terem tido a capacidade de passar no concurso. Outra coisa, que os empregados da MTI ganham bem, não vou negar, mas aparece, é dado transparência, e a empresa pública não tem lucro, já as empresa privada que assumir, certamente vai lucrar bem, talvez mais que somados os salários e o custeio da MTI, pagará pouco para os funcionários e lucrará muito, ou seja, não estará pensando no caixa do Estado, como você disse, mas sim no bolso do patrão. Seja mais esperto.
19
12
Cidadão  09.01.19 14h52
Cidadão, seu comentário foi vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas
Riba  09.01.19 14h19
Fica fácil governar dessa forma, usar de amuleto situações pontuais como um ou dois salários, e não levar em conta a prestação de serviços de vários coladoradores e anos de serviços prestados ao Estado e ao cidadão, pra atender os amigos do Reino e outros como prestadores de serviços e contratos milionários do Detran, sendo investigado, é essa economia? ?? Como seria se sua empresa fosse fechada Mauro e não fosse dada oportunidade de recuperação, é essa sua visão, jogar na fila de desemprego milhares de colaboradores que contribuíram para crescimento do Estado, mostre sua competência e recupere essas empresas assim como recuperou ou recep era as suas. ....
79
24
Rodrigo Arruda  09.01.19 14h17
Soares! Garanto para vc que qualquer empresa da iniciativa privada seria tão qual eficiente como a MTI e bem mais barato para o Estado. Entra na transparência e veja os marajás que lá estão.
37
58