Cuiabá, Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019
NOVO PS
16.05.2019 | 14h50 Tamanho do texto A- A+

Enfermeiros criticam edital e Prefeitura reavalia publicação

Presidente do Coren-MT, Antônio César Ribeiro criticou jornada e remuneração oferecida em edital

Reprodução/Assessoria

Presidente do Coren-MT, Antônio César Ribeiro: "edital foi surpresa desagradável"

BRUNA BARBOSA
DA REDAÇÃO

O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) publicou uma nota de repúdio contra o processo seletivo que prevê a contratação de 1.247 profissionais para o novo Pronto Socorro de Cuiabá. De acordo com categoria, o edital prevê salários incompatíveis para enfermeiros e técnicos em enfermagem. 

  

Para o conselho, o edital lançado pela Empresa Cuiabana de Saúde Pública é "vergonhoso". O presidente da autarquia, Antônio César Ribeiro, disse que a seleção foi recebida como uma "surpresa muito desagradável", além de ser uma "proposta imoral". 

 

"O Coren-MT considera vergonhoso para a administração pública de Cuiabá que profissionais envolvidos diretamente na atividade-fim da unidade de saúde sejam alvo de tamanha desconsideração, que demonstra desconhecimento da realidade do mercado e de suas competências", diz trecho da nota. 

 

Conforme o Coren-MT, a remuneração de R$ 2.004,25 para os técnicos de enfermagem é "injusta", já que corresponde ao mesmo pagamento feito a telefonistas e vigias. 

 

É injusto que a remuneração dos técnicos de enfermagem, linha de frente no atendimento assistencial, seja a mesma praticada para cargos como o de técnico de informática, o de telefonista e de vigia

Antônio César ainda ressaltou que as equipes de enfermagem enfrentam alto grau de pressão durante a jornada de trabalho, o que diferencia a rotina diária desses profissionais de outros funcionários de uma unidade de saúde. 

  

"É injusto que a remuneração dos técnicos de enfermagem, linha de frente no atendimento assistencial (de apenas R$ 2.004,25 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais), seja a mesma praticada para cargos como o de técnico de informática, o de telefonista e de vigia, alguns dos quais com jornadas inferiores, diante do grau de responsabilidade assumida pelo profissional de enfermagem no cuidado com a vida do paciente", diz trecho da nota.

 

Para enfermeiros, o edital prevê salário de R$ 2.369,98. De acordo com o órgão, tal proposta demonstra a "ignorância" da administração público com relação ao trabalho desse tipo de profissional. 

 

"A situação é ainda mais vexatória quando se observa os salários que serão destinados a enfermeiros, profissionais de nível superior (R$ 2.369,98 para 40 horas semanais), o que demonstra a ignorância da administração municipal a respeito da posição central destes na prestação do serviço", conforme trecho do documento. 

 

O salário previsto para enfermeiros com especialização em áreas como auditoria, cardiologia e centro cirúrgico é de R$ 2.505,31, de acordo com o edital do processo seletivo. 

 

O Coren-MT ressaltou que o valor não corresponde ao grau de qualificação técnica exigido pelo edital, além de ser menor do que os salários previstos em cargos que exigem apenas a graduação. 

 

Ainda segundo a autarquia, o processo seletivo tem como objetivo o "barateamento do serviço" a partir da desvalorização dos profissionais de saúde, fator que pode acarretar na precarização do setor e queda na qualidade da assistência. 

 

A carga horária de 40 horas prevista no edital para enfermeiros e técnicos de enfermagem também é apontada como uma afronta à regulamentação da jornada de 30 horas, atualmente cumprida pelos profissionais contratados por unidades de saúde pública. 

 

“Os contratados via processo seletivo não têm carreira, não têm estabilidade no trabalho, nem expectativa de crescimento na empresa, além de trabalhar mais que os estatutários e ganhar bem menos. É a desvalorização do trabalho de enfermagem”, afirmou Antônio César.

 

Outro lado

 

Por meio de nota, a Prefeitura de Cuiabá afirmou que, após a reclamação feita pelo conselho, determinou à Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) a imediata reavaliação do edital do processo seletivo do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) para sanar possíveis inconsistências salariais.

 

Caso inconsistências sejam confirmadas, o edital será retificado e publicado até a segunda-feira (20). No entanto, os prazos para inscrições irão seguir o cronograma já estabelecido.

 

De acordo com o diretor geral da ECSP, Alexandre Beloto, a equipe técnica da Comissão de Acompanhamento do Processo Seletivo iniciará ainda nesta quinta-feira (16) um processo criterioso de análise do edital.

 

Leia a nota na íntegra:

 

"NOTA DE REPÚDIO

 

O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) vem a público manifestar seu repúdio contra os salários previstos para os profissionais de enfermagem no edital do processo seletivo realizado pela Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) para o provimento de vagas imediatas e em cadastro de reserva para o Hospital Municipal de Cuiabá Dr. Leony Palma de Carvalho.

 

O Coren-MT considera vergonhoso para a administração pública de Cuiabá que profissionais envolvidos diretamente na atividade-fim da unidade de saúde sejam alvo de tamanha desconsideração, que demonstra desconhecimento da realidade do mercado e de suas competências.

 

É injusto que a remuneração dos técnicos de enfermagem, linha de frente no atendimento assistencial (de apenas R$ 2.004,25 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais), seja a mesma praticada para cargos como o de técnico de informática, o de telefonista e de vigia, alguns dos quais com jornadas inferiores, diante do grau de responsabilidade assumida pelo profissional de enfermagem no cuidado com a vida do paciente.

 

A situação é ainda mais vexatória quando se observa os salários que serão destinados a enfermeiros, profissionais de nível superior (R$ 2.369,98 para 40 horas semanais), o que demonstra a ignorância da administração municipal a respeito da posição central destes na prestação do serviço.

 

Enfermeiros com especialização em áreas como auditoria, cardiologia e centro cirúrgico receberão R$ 2.505,31, valor que não corresponde ao grau de qualificação técnica exigido e é inferior ao que será pago a advogados e engenheiros clínicos, entre outros, dos quais se exige apenas a graduação!

 

No entender do Coren-MT, tal atitude condiz com todo o processo ilegítimo pelo qual foi eleita a Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP), no final de 2018, à revelia da posição contrária assumida à época por entidades integrantes do Conselho Municipal de Saúde, entre elas este conselho.

 

Alertamos que este processo de contratação, calcado no barateamento do serviço a partir da desvalorização dos trabalhadores, tende a promover a precarização do trabalho e a queda na qualidade da assistência.

 

O Coren-MT salienta ainda a omissão do sindicato dos trabalhadores (Sinpen-MT), que até o momento não se posicionou sobre o caso, e questiona a conivência desta entidade em relação ao mesmo.

 

Conclamamos os profissionais de enfermagem, parlamentares e toda a sociedade para que cobrem da Prefeitura Municipal de Cuiabá mais seriedade na gestão dos recursos e respeito ao usuário e ao trabalhador da saúde.

 

A luta histórica da categoria pela regulamentação de um piso salarial e pela jornada de trabalho de 30 horas semanais está sendo afrontada!"




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
5 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

GABRIELA CARVALHO  17.05.19 13h47
Vcs aí tem o salário melhor que no ES pq aqui no hospital paga mil e nove na carteira e nos PSF paga1229 e
0
0
ivo francisco de figueiredo  17.05.19 07h20
E uma vergonha mesmo o salario oferecido pela Prefeitura se nao bastasse o salario de um pedreiro ser igual a de um nivel superior
1
1
Jussara  16.05.19 19h58
Não é somente não se candidatar. O problema é que se todas as instituições começarem a fazer este tipo de proposta salarial, a enfermagem ficará cada vez mais sem opção. Parabéns ao Coren-MT por se pronunciar. Falta iniciativa de outros Corens para lutar por nossa valorização.
14
0
Cris Batista  16.05.19 17h13
Independentemente do Edital Enfermeiros e técnicos ganham mal em qualquer canto do Brasil. E vergonhoso saber que uma classe que cuida intensamente nos cuidados de pacientes, ganham menos que muitas outras classes que nem curso superior tem, e claro sem discriminar ninguém. O Plantão de 12 horas e menor que conheço 108,00 reais. Quanto mais o salário. .
24
0
Ricardo  16.05.19 15h55
É só não candidatar, simples.
6
35