Cuiabá, Quarta-Feira, 24 de Abril de 2019
GRANDE CUIABÁ
02.06.2017 | 15h02 Tamanho do texto A- A+

Por reajuste de 15%, motoristas cruzam os braços a partir do dia 7

Atualmente o salário dos trabalhadores do setor é de R$ 2.180, para jornada de sete horas por dia

MidiaNews

Com a greve, cerca de 500 mil usuários das duas cidades serão prejudicados

THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

Os motoristas de ônibus de Cuiabá e Várzea Grande decidiram entrar em greve a partir da próxima quarta-feira (7). Eles reivindicam um aumento salarial de 15% e plano de saúde.

 

Com a greve, cerca de 500 mil usuários das duas cidades serão prejudicados. A frota atual dos dois Municípios é de 550 veículos.

 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários da Baixada Cuiabana (Sintrobac), Ledevino Conceição, a categoria se reuniu três vezes com as empresas para tentar chegar a um acordo, mas não houve sucesso.

 

“Tentamos buscar de todas as formas fechar um acordo com as empresas para evitar o transtorno de uma greve. Mas, em vigorando a intransigência demonstrada pelas empresas durante as negociações, a partir do dia 7 de junho não restará outra alternativa aos rodoviários a não ser a greve por tempo indeterminado”, afirmou.

 

Tentamos buscar de todas as formas fechar um acordo com as empresas para evitar o transtorno de uma greve nos serviços de transporte coletivo de Cuiabá e Várzea Grande

Conforme o presidente, atualmente o salário dos motoristas é de R$ 2.180, para jornada de 7 horas. Com o reajuste, o valor subiria para R$ 2.507.

 

“Esse aumento é para repor as perdas provocadas pela infração do último ano, que não foi nos concedido”, explicou.

 

Já com relação ao plano de saúde, Ledevino destaca que é fundamental, pois a profissão está entre as que mais atuam sob pressão, o que causa problemas físicos e psicológicos.

 

“Os trabalhadores precisam recorrer ao SUS [Sistema Único de Saúde] para se tratar, pois, com o salário deles, é impossível pagar plano ou consulta particular. Já há 31 anos que o sindicato foi criado e desde então a entidade reivindica o plano”, reclama Ledevino.

 

Outro lado

 

Os empresários alegam que não têm recursos para aumentar os salários, já que este ano não houve aumento na passagem do  transporte público.

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Souza  04.06.17 16h26
Lógico que houve aumento, os ônibus da União Transporte, que fazem a linha intermunicipal, hoje está no valor de 4,00 enquanto que os que fazem a linha somente de Cuiabá, que não houve aumento.
0
1
rodolfo  03.06.17 04h15
Acho que é jogada dos empresários do transporte com sindicato para depois terem motivo para aumentar as passagem do transporte coletivo...o prefeito Emanuel já tá fazendo um esforço para não aumentar as passagens..fica a dica...sou a favor d todo trabalhador ser bem remunerado só q 15% d imediato...
27
3
Cleber  02.06.17 18h19
Se a inflação foi 7% como eles querem o dobro = 15%; isso não está certo.
46
9