Cuiabá, Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019
ROMILDO GONÇALVES
14.04.2019 | 08h05 Tamanho do texto A- A+

Fogo - É preciso prevenir

É preciso ficar atento em 2019, pois o fenômeno El Niño está de volta ao Brasil

Denota-se hoje uma preocupação do governo central com a prevenção e controle de incêndios florestais para 2019. Mas para que isso ocorra na prática é preciso que os estados federados elencados na Portaria Federal n. 153 de 18 de março de 2019, se movimentam, caso contrário o problema será imenso pois este ano o fenômeno El Niñio está de volta ao Brasil.

 

Na portaria n.153/2019, o governo elenca os estados que mais registram ocorrência de incêndios florestais em seus ecossistemas. Fatos que ocorrem desde muito e vem se intensificando na última década no país. Causando gigantescos prejuízos ambientais, econômicos e sociais, além de ceifar a vida gratuitamente.

 

Estados como: Acre; Amapá; Amazonas; Bahia; Distrito Federal; Goiás; Maranhão; Mato Grosso; Mato Grosso do Sul; Pará; Pernambuco; Piauí; Rio de Janeiro; Rondônia; Roraima e Tocantins, são listados como prioridade na portaria em tela, em vigor a partir de Abril com validade até Novembro de 2019.

 

Esse é o caminho mais eficaz para prevenir, controlar, manejar e fiscalizar, uma questão extremamente séria no país, que são os recorrentes incêndios florestais anualmente reais, causando prejuízos e desconfortos a vida, são previsíveis e naturalmente evitáveis mas?

Esse é o caminho mais eficaz para prevenir, controlar, manejar e fiscalizar, uma questão extremamente séria no país

Como se vê, os centros de monitoramentos ambientais espalhados pelo mundo vem confirmando em pesquisas e divulgando na mídia o aquecimento global e a difusão das intempéries mundo afora, impactando a vida e sua continuidade em muito ambientes. Prevenir é sem dúvidas o melhor e mais racional meio para evitar aquilo que é previsível e naturalmente evitável.    

  

Desde 1998, estamos planejando elaborando e editando legislações ambientais cada vez mais modernas e atualizadas para o Brasil, temos hoje as melhores e mais eficazes legislações do mundo, porém, na prática o poder executivo brasileiro não evoluiu para a acompanhar este moderno e eficiente parâmetro legal existente.

 

O que se vê na prática são prejuízos de grande monta causado ao meio ambiente, ao produtor rural, ao homem do campo e a vida na sua plenitude, morte de animais da fauna silvestre, da fauna doméstica, queima de lavouras, pastagens... são senso comuns no período da estiagem no país.

 

Infelizmente, essa é a realidade, dos desastres ambientais previveis e evitáveis, porém, continua com fogo florestal no período da seca ou estiagem como queira no país até quando? Uma vergonhosa, uma situação sem graças e sem nexo. Porque não barrar?

 

Dados divulgados pela National Aeronautics and Space Administration = NASA e pelo, National Oceanic ande Atmospheric Administration = NOAA, mostram que 2015 foi o ano mais quente já registrado no planeta terra desde 1880, quando iniciaram os primeiros registros do clima no mundo, não entanto esses anos de canícula continua.

 

Quando 2018, chegou todo mundo sabia do que poderia vir acontecer com o meio ambiente no brasileiro no período da estiagem o que fizeram? Nada! Não fizeram o manejo de fogo nas unidades de conservação pontuadas no código florestal brasileiro artigo 38, 39 e 40 da Lei Federal n. 12.651/12. Quem paga a conta? A vida!

 

Denota-se nessa seara que o estado brasileiro ainda patina e feio na prevenção e controle de incêndios florestais, no qual foi esmagado por uma política ambiental desastrosa pelos governos federal da última década.

 

Com leitura paleolítica da dinâmica ambiental do século 21, o governo central deixou correr solta a mesma política ambiental implantada na década de 90, algo hoje fora de contexto que não mais responde aos efusivos reclames ambientais, culturais e sociais do meio ambiente brasileiro especialmente o rural. 

 

O ano de 2019 tá chegando quente e com previsão do calorão aumentar cada vez mais, uma vez que o fenômeno El Niñio está de volta com força total, então senhores governantes e gestores públicos, vão de novo deixarem a vida queimar literalmente de maneira aleatória nos ecossistemas brasileiros? O ministro atual já determinou com Portaria Federal n.153. e agora?

Como se sabe, os incêndios florestais no Brasil são os mais fácil de prevenção, controle e manejo, visto que são incêndios de superfície, ao contrário dos incêndios de copa ou incêndios subterrâneos ocorrentes na Europa e Estados Unidos que são os mais difíceis de prevenção, controle e manejo.

 

Se houvesse ações, iniciativas e atividades inteligentemente planejadas para prevenção, controle e combate aos incêndios florestais seguramente teríamos evitado inúmeros males causados pelo fogo florestal nos ecossistemas brasileiros.

 

Ha pelo menos três décadas pesquiso a ação do fogo florestal, não a circunscrevendo ao meu país, buscando entender-lhe a origem, o controle, a evolução desse fenômeno na natureza.

No decurso de igual período, tenho orientado pesquisadores, gestores, produtores rurais sobre a responsabilidade objetiva, assentado o direito e deveres do cidadão e do poder público.

Assim, fica o alerta, ou façamos a prevenção e manejo do fogo florestal no país ou continuaremos queimando a vida aleatoriamente, a questão tá posta!

 

ROMILDO GONÇALVES é biólogo professor pesquisador em Ciências Naturais da UFMT/Seduc

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
1 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Luiz Carlos  14.04.19 12h12
Parabéns Professor Romildo pela matéria. O conhecimento e a comunicação são os dois grandes aliados para que haja realmente o alcance do objetivo final, que é preservar vidas.
1
0

Leia mais notícias sobre Opinião:
Abril de 2019
25.04.19 07h33 » O Fusca
25.04.19 07h30 » Hidrovia Paraguai-Paraná
24.04.19 07h42 » Leia antes de morrer
24.04.19 07h35 » Proteção de dados
23.04.19 07h39 » A Corte Suprema