Cuiabá, Quarta-Feira, 22 de Maio de 2019
VICTOR MAIZMAN
16.04.2019 | 07h04 Tamanho do texto A- A+

O IPVA e o STF

O STF tem usado critérios que não o jurídico para validar um ato normativo

Tenho insistido quanto a diferença conceitual de JUSTIÇA e DIREITO, demonstrando na prática que ambos institutos podem caminhar em direção opostas.

 

Pois bem, os doutrinadores, mestres, doutores catedráticos em Direito Tributário ensinam que jamais o Estado pode usar de meios coercitivos para a exigência de tributos, ou seja, não se pode vincular determinado ato ou atividade mediante a comprovação do recolhimento de tributos.

 

Tanto é verdade que o próprio Supremo Tribunal Federal editou três normas interpretativas nesse sentido, restando evidenciado em uma delas de que não se pode apreender mercadorias como forma coercitiva para a cobrança de tributos.

 

Nesse sentido, denota-se que a segurança jurídica é privilegiada quando há sintonia entre as lições acadêmicas e a interpretação jurídica de determinada lei ou ato normativo por parte do Poder Judiciário.

 

O STF, por maioria, entendeu que é válida a regra prevista no Código de Trânsito que condiciona a expedição do Certificado de Licenciamento mediante o pagamento do IPVA

Todavia, ultimamente estamos vislumbrando que a maioria dos Ministros do Supremo vem lançando mão de outro critério de interpretação das normas que não seja apenas a jurídica.

 

Destarte, na semana passada o STF, por maioria, entendeu que é válida a regra prevista no Código de Trânsito que condiciona a expedição do Certificado de Licenciamento mediante o pagamento do IPVA.

 

Porém, é sempre importante lembrar que a quantia arrecadada por impostos, inclusive o IPVA, não pode ter uma destinação específica, portanto não é necessariamente destinada à manutenção das estradas e rodovias.

 

Assim, estando o veículo vistoriado, com todas as taxas recolhidas, não seria válida a lei que condiciona a expedição do certificado de licenciamento mediante o pagamento do imposto, até porque sem tal documento o veículo não pode transitar nas vias públicas.

 

Trata-se no caso de típica hipótese de exigência coercitiva respaldada pelo entendimento acadêmico avalizado pelo próprio Supremo ao longo de sua existência. 

 

Contudo, na sua composição atual, a maioria dos Ministros da Corte Suprema decidiu que é válido tal condicionamento, uma vez que sem prejuízo da constatação de tratar-se de meio coercitivo de cobrança, a forma é benéfica para o Estado do ponto de vista prático no tocante os interesses da arrecadação.

 

Assim, estamos vislumbrando que a composição atual do STF vem lançando mão de outros critérios que não seja o jurídico para validar um determinado ato normativo, indo no caso vertente, em direção oposta ao que é ensinado nos bancos universitários.

 

Daí cabem aos professores lecionarem não apenas com base nos livros dos mestres acadêmicos, mas devem também advertir os alunos de que o que vale mesmo é o entendimento da maioria dos Ministros do STF naquele determinado momento.

 

VICTOR HUMBERTO MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário e professor em Direito Tributário.

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Leia mais notícias sobre Opinião:
Maio de 2019
21.05.19 07h30 » Primeiras impressões
21.05.19 07h30 » Por um urbanismo protagonista
21.05.19 07h00 » Ainda sobre o STF
21.05.19 07h00 » Disrupturas, rupturas
20.05.19 14h08 » Coragem e espírito público
20.05.19 09h16 » Oxente... Agora vai!
20.05.19 08h10 » Minha posição
20.05.19 07h48 » Um novo dia, de um novo tempo!
20.05.19 07h35 » Um país em depressão
19.05.19 09h20 » Feminicídio exacerbado!