Cuiabá, Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019
VICENTE VUOLO
16.05.2019 | 07h29 Tamanho do texto A- A+

VLT: deboche com 280 vagões

Aqueles que agem em favor da paralisação são responsáveis por desvios

 

Se fôssemos dar uma denominação a essa situação de abandono do VLT Várzea Grande – Cuiabá, a palavra que mais se enquadraria é o “deboche”.

 

A maioria prefere debochar dos 7 anos de paralisação. Virou motivo de piada a compra de 280 vagões. A estação de passageiros ao lado do aeroporto Marechal Rondon, com cerca de 1 km de trilhos prontos, é ridicularizada. E fica nisso!

 

Como cuiabano e ex-vereador da capital mato-grossense, tenho o dever de cobrar do poder público uma solução o mais rápido possível para a conclusão da obra.

 

Em primeiro lugar, do governador do Estado, que se comprometeu em concluir o projeto já que é o responsável pela execução da obra. Isso, não tira a responsabilidade dos prefeitos de Cuiabá e Várzea Grande, já que essas cidades cederam o espaço físico para receber essa nova mobilidade de transporte. Muito menos, isenta, as câmaras municipais que têm a obrigação de fiscalizar e cobrar todas as obras do município, seja ela estadual ou federal.

 

Se as autoridades não agem motivadas pela responsabilidade institucional e ética, a sociedade civil deve se mobilizar para pressionar a conclusão imediata

Quando se fala em vereadores, gostaria de lembrá-los o papel que cada edil tem na cidade. Foi na cidade de Porto, em Portugal, há poucos anos, em 1998, que o Vereador Fernando Manoel dos Santos Gomes, da Câmara Municipal do Porto, idealizou e conseguiu a adjudicação da construção do metrô e do VLT da cidade. Para muitos portugueses, era um projeto utópico. A primeira linha com 11,8 km e 18 estações foi inaugurada em 7 de dezembro de 2002. Hoje, com pouco mais de 20 anos, a rede ferroviária eletrificada da cidade do Porto possui um total de 70 km de linhas comerciais duplicadas (VLT), maioritariamente à superfície, com 9,5 de metrô, para uma população de apenas 250 mil habitantes contra cerca de 1 milhão de pessoas somando Cuiabá e Várzea Grande.

 

E, por último, solicitar ao Ministério Público, que tome iniciativas judiciais, pois seu papel é proteger os princípios e interesses fundamentais da sociedade, funcionando como um verdadeiro fiscal do cumprimento das leis e da Constituição brasileira. É dever, portanto, ajuizar ações civis ou penais contra quem cometeu crimes contra o patrimônio público, contra o meio ambiente e contra a sofrida população cuiabana e várzea-grandenses, lesadas diariamente. Ajuizar, não significa, paralisar. Mas, sim, exigir a conclusão das obras com ética, transparência, ressarcindo ao erário os prejuízos causados à toda a sociedade.

 

É bom lembrar que todos aqueles que agem em favor da paralisação das obras são também responsáveis por desvios, já que estão contribuindo por jogar no lixo dinheiro que é essencial à sociedade, já que com a paralisação, as obras vão ficando mais caras, os equipamentos vão se deteriorando e se perdendo. É dinheiro que se esfarela.

 

Mas se as autoridades não agem motivadas pela responsabilidade institucional e ética, a sociedade civil deve se mobilizar para pressionar a conclusão imediata e, paralelamente, os responsáveis por eventuais desvios sejam punidos.

 

Cuiabá e Várzea Grande são cidades formadas por entidades responsáveis e comprometidas com o desenvolvimento do Estado e da região. Entidades patronais e de trabalhadores, instituições econômicas e sociais que têm o dever de se pronunciar e representar os anseios de desenvolvimento de nossa gente.

 

O caso do VLT é emblemático. Sua finalização além de ajudar a melhorar a mobilidade local, poderá servir de estímulo para a mobilização da sociedade por uma série de ações em prol de uma cidade mais humana.

 

Várzea Grande e Cuiabá não podem servir mais de deboche. Vamos mobilizar pela conclusão das obras do VLT.

 

VICENTE VUOLO é economista e cientista político.

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

JUNIOR CESAR PLEUTIM  16.05.19 12h52
Cuiaba e Varzea Grande juntas nao somam um milhao de habitantes . E outra , terminar esse VLT é dar um tiro no pé .
2
12
Wagner  16.05.19 12h22
Infelizmente, o nosso futuro é ficar igual aos grandes centros do país, onde enquanto se constrói um quilometro de metrô/vlt ou outra alternativa, há a necessidade de se construir mais 10km. Ele seria uma alternativa, já que um bom transporte público, tiraria muitos carros das ruas.
5
2
Cícero  16.05.19 11h11
O comentarista deste artigo, esquece de mencionar a origem do recurso que o governo do Estado deverá destinar anualmente como subsídios para tornar o VLT viável.
2
9

Leia mais notícias sobre Opinião:
Maio de 2019
20.05.19 07h48 » Um novo dia, de um novo tempo!
20.05.19 07h35 » Um país em depressão
19.05.19 09h20 » Feminicídio exacerbado!
19.05.19 09h16 » Riscos das novas gerações
19.05.19 08h00 » Sonhos
18.05.19 12h07 » A luta pela sobrevivência
18.05.19 11h40 » Rachadinha