Cuiabá, Domingo, 19 de Maio de 2019
DECRETO DA UNIÃO
15.05.2019 | 15h35 Tamanho do texto A- A+

Jaime: “Corte em orçamento de instituições federais é um atraso”

Senador mato-grossense, no entanto, acredita que medida pode ser revista com aprovação de reformas

Alair Ribeiro/MidiaNews

O senador Jaime Campos, que criticou decreto do presidente Jair Bolsonaro

CAMILA RIBEIRO E DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O senador Jaime Campos (DEM) classificou como “atraso” o decreto do Governo Federal que bloqueia mais de R$ 29 bilhões em gastos no Orçamento, sendo a Educação a área mais atingida (R$ 5,83 bilhões em cortes).

 

“Isso é uma pena, né. Naturalmente cortar do orçamento, 30% das escolas técnicas, das nossas universidades, é um atraso”, disse Jaime, em conversa com jornalistas na terça-feira (14).

 

“Investir na Educação significa investir no capital da pátria. Precisamos de mais investimento e não de cortar o que já é pouco. Precisamos fazer da nossa Educação aquilo que desejamos, e do Brasil, um País com oportunidade e justiça social”, acrescentou o senador.

 

Isso é uma pena né. Naturalmente cortar do orçamento, 30% das escolas técnicas, das nossas universidades é um atraso

Apesar da crítica, Jaime disse acreditar que a medida ainda possa ser revista, já que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) vem condicionando todas as ações de seu governo à aprovação da Reforma da Previdência.

 

“Espero que o presidente possa rever essa situação, mesmo porque todo e qualquer assunto do Brasil agora passa pela Reforma da Previdência. Aprovando, o Governo Federal tem dito que vai retornar esses 30% que foi contingenciado do orçamento na área educacional”, disse o democrata.

 

“No limite”

 

Pelo decreto de Bolsonaro, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), por exemplo, terá um bloqueio de R$ 34 milhões no orçamento anual que, anteriormente, estava previsto em R$ 1.027.150.013,00.

 

Segundo a reitora UFMT, Myrian Thereza Serra, a instituição já está em seu “limite” e, provavelmente, não terá condições de honrar com seus compromissos a partir de julho.

 

“Teremos dificuldades de pagar conta de energia, de água, significa o rompimento de contrato de segurança, de limpeza. O Restaurante Universitário, por exemplo, mesmo que tenhamos condição de fazer o pagamento do contrato, se não tiver água e energia, não tem como funcionar e não vai poder receber. Então, são necessidades essenciais que estão em risco”, afirmou Serra.

 

Decreto

 

No dia 29 de março, o Governo Federal publicou, em edição extraordinária do Diário Oficial da União, o decreto de programação orçamentária, onde o bloqueio de mais de R$ 29 bilhões em gastos no Orçamento 2019 foram detalhados. 

 

A área mais atingida foi a Educação (R$ 5,83 bilhões), seguida da Defesa (R$ 5,1 bilhões).

 

Em termos percentuais, o maior bloqueio aconteceu no Ministério de Minas e Energia (79,5% do total), seguido pelo Ministério de Ciência e Tecnologia (41,97%), Infraestrutura (39,46%), Defesa (38,61%), Turismo (37,12%), Desenvolvimento Regional (32,37%).

 

Os menores contingenciamentos foram nas áreas de Saúde (2,98%), na Controladoria-Geral da União (13,63%) e no Ministério das Relações Exteriores (19,97%).

 

As emendas parlamentares (recursos que deputados e senadores destinam para investimento em estados e municípios) sofreram bloqueio de R$ 2,95 bilhões.

 

Leia mais sobre o assunto:

Com corte, UFMT pode não ter dinheiro para luz, água e segurança

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
10 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

ana  16.05.19 18h45
atraso é continuar a votar em politicos com o senhor
6
2
Lu Monteiro  16.05.19 11h18
Senador, você deveria ter vergonha de falar isso, o contingenciamento é para evitar que as futuras pedaladas fiscais, devido aos grande gastos com a previdência, faça mais por nosso estado e fale menos. Pq vc está envergonhando nosso estado.
17
7
Marilson  16.05.19 10h34
Jaime o redimido, quem diria!!! Fui aluno da Escola Estadual Raimundo Pinheiro da Silva (Av. Fernando Corrêa) no início da década de 90. Meus professores ficavam de 5 a 6 meses sem receber salário. O Senador aí era o Governador. Minhas professoras tinham que fazer bico de doméstica pra poder comprar comida e continuar dando aula.
16
1
MESSIAS OLIVEIRA DE MENEZES JUNIOR  16.05.19 09h28
"Nobre senador", apenas duas perguntas: Vossa Excelência abriu mão da aposentadoria especial? É a favor da reforma da previdência? Quem sabe esse contingenciamento se deve por esses fatores!
14
1
eline  16.05.19 07h48
SENADOR O SR. ESTA ERRADO.
10
3