Cuiabá, Domingo, 19 de Maio de 2019
CORTE NA EDUCAÇÃO
15.05.2019 | 15h15 Tamanho do texto A- A+

Nos EUA, Bolsonaro diz que manifestantes são "idiotas úteis"

Para o presidente, alunos que participam de protesto servem de instrumento político para "minoria espertalhona"

Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro, que fala em contingenciamento necessário

MARINA DIAS
DA FOLHA DE SÃO PAULO

Ao chegar aos Estados Unidos nesta quarta-feira (15) Jair Bolsonaro afirmou que as manifestações que estão ocorrendo no país em defesa de recursos para a educação são feitas por “idiotas úteis”, classificados pelo presidente como “militantes” e “massa de manobra”.

 

Indagado sobre os protestos que acontecem nas capitais e grandes cidades do Brasil, o presidente disse que os alunos que estão nas ruas “não sabem nem a fórmula da água” e servem de instrumento político para “uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais”.

 

“É natural [que haja protesto], agora a maioria ali é militante. Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis, uns imbecis, que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo de muitas universidades federais no Brasil", afirmou o presidente na porta do hotel onde está hospedado em Dallas.

 

Cercado de apoiadores, que gritavam “mito” enquanto concedia uma entrevista coletiva a jornalistas, Bolsonaro primeiro afirmou que não existe corte na educação para, em seguida, dizer que por causa da crise econômica e da arrecadação baixa foi preciso fazer o contingenciamento.

 

É natural [que haja protesto], agora a maioria ali é militante. Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis, uns imbecis, que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo de muitas universidades federais no Brasil

“Na verdade não existe corte, o que houve é um problema que a gente pegou o Brasil destruído economicamente também, com baixa nas arrecadações, afetando a previsão de quem fez o orçamento e, se não tiver esse contingenciamento, simplesmente entro contra a lei de responsabilidade fiscal. Então não tem jeito, tem que contingenciar”, declarou.

 

Os protestos (acompanhe aqui o minuto a minuto dos atos) são uma resposta à decisão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que reduziu o orçamento das universidades federais e bloqueou bolsas de pesquisa.

 

O presidente disse ainda que não gostaria de fazer nenhum contigenciamento, em especial na educação, mas afirmou que o setor está “deixando muito a desejar”.

 

“Gostaria que nada fosse contigenciado, em especial na educação. A educação também está deixando muito a desejar no Brasil. Se você pega as provas, que acontecem de três em três anos, está cada vez mais ladeira abaixo. A garotada, com 15 anos de idade, na oitava série, 70% não sabe uma regra de três simples. Qual o futuro destas pessoas?”.

 

Na avaliação do presidente, a alta taxa de desemprego no país —cerca de 14 milhões de desempregados— vem da baixa qualificação dos trabalhadores. Bolsonaro afirmou que durante os governos do PT não havia preocupação com a educação.

 

Prefeito de Nova Iorque

 

Há semanas em disputa via imprensa e redes sociais com o prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio, Bolsonaro disse nesta quarta que “um chefe do Executivo  municipal” não pode organizar “uma ação contra uma autoridade que representa a oitava economia do mundo”.

 

“Não é isso o que pensa a maioria do povo americano, a maioria dos nova-iorquinos”, disse o presidente.

 

“Também amo Nova York, pretendo, se o prefeito deixar o poder, que vai deixar brevemente, conhecer essa cidade que sempre foi um sonho meu”. Blasio, assim como outros políticos e ativistas nos EUA, protestaram contra a viagem de Bolsonaro a Nova York, onde ele seria homenageado com o prêmio Pessoa do Ano, concedido pela Câmara de Comércio Brasil-EUA.

 

Por conta das manifestações e críticas de Blasio, o presidente desistiu de ir a Nova York e o Itamaraty articulou às pressas uma viagem a Dallas, no Texas.

 

Na agenda oficial de Bolsonaro há somente um encontro com o ex-presidente dos EUA George W. Bush, previsto para durar quinze minutos no escritório do americano na tarde desta quarta, e um almoço com empresários na quinta, onde o brasileiro receberá a homenagem.

 

Bush foi contemporâneo do ex-presidente Lula na Presidência e tinha boa relação com o petista. O ex-presidente dos EUA é hoje no Partido Republicano um dos nomes mais críticos ao presidente Donald Trump, com quem Bolsonaro quer manter um alinhamento automático em diversas áreas do governo.

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia