Cuiabá, Quarta-Feira, 22 de Maio de 2019
CASSAÇÃO DE SELMA
17.04.2019 | 08h10 Tamanho do texto A- A+

Defesa cita complexidade de ação e não crê em desfecho célere

O TRE de Mato Grosso decidiu pela perda do mandato da senadora Selma Arruda; decisão cabe recurso

Reprodução

O advogado Narciso Fernandes Barbosa, que defende a senadora Selma Arruda

CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O advogado Narciso Fernandes Barbosa, que defende a senadora Selma Arruda (PSL), acredita que a resolução do processo que determinou a cassação da ex-magistrada não deve ser célere.

 

O Tribunal Regional de Mato Grosso cassou o mandato da congressista e de sua chapa por abuso do poder econômico e caixa 2 na campanha eleitoral de 2018. Ela continua no cargo até que o caso seja julgado em definitivo pelo Tribunal Superior Eleitoral. 

 

Conforme o advogado, há um entendimento de que uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral, como a que Selma responde, seja julgada com rapidez, em um prazo de até um ano. No entanto, devido ao extenso volume do processo, o julgamento pode durar mais tempo, segundo ele.  

 

"Há uma recomendação dizendo que é bom que uma AIJE seja julgada em menos de um ano. Mas isso não é texto de lei, e depende da complexidade do processo. Esse processo tem 1,4 mil páginas, tem horas e horas de áudio, há muitos documentos que devem ser analisados. Não é um processo de simples compreensão”, disse o advogado ao MidiaNews, negando a informação de que a ação deverá estar concluída no TSE até setembro.

 

Narciso Fernandes aguarda a publicação da decisão do julgamento no Diário da Justiça Eleitoral para recorrer da decisão. Há a possibilidade de ele ingressar no TRE com um agravo regimental e de recorrer a sentença no Tribunal Superior Eleitoral.

 

“Nós ainda estamos estudando qual a estratégia mais adequada, até mesmo porque precisamos ler o acórdão. Porque uma coisa é o que foi falado, outra coisa é o que foi escrito”, disse o Narciso.

 

Cassação do mandato

 

Em julgamento de mais de 8 horas, os sete juízes eleitorais do TRE acataram os argumentos da acusação, que apontaram abuso do poder econômico e caixa 2 durante a campanha eleitoral de Selma e 2018.

 

Além da cassação e de nova eleição, os magistrados ainda determinaram a inelegibilidade de Selma e de seu suplente Gilberto Possamai por 8 anos. A medida não se aplica à segunda suplente da chapa, Clerie Fabiana Mendes (PSL), pois, conforme o relator, não ficou comprovada sua participação nas irregularidades.

 

 




Clique aqui e faça seu comentário


COMENTÁRIOS
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia